ERC dá ‘luz verde’ à compra da Media Capital pela Cofina

A ERC concluiu que a operação não coloca em causa “os valores do pluralismo e da diversidade de opiniões”. Parecer foi já remetido à Autoridade da Concorrência

Fotografia cedida

O Conselho Regulador da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social deliberou não se opor à operação de concentração da Cofina e Media Capital, anunciou o regulador esta quarta-feira.

A deliberação foi feita “sem prejuízo das ressalvas enunciadas na respetiva deliberação, por não se concluir que tal operação coloque em causa os valores do pluralismo e da diversidade de opiniões, cuja tutela incumbe à ERC aí acautelar”, adiantou em comunicado divulgado no site da ERC.

“O Parecer foi já remetido à Autoridade da Concorrência, dele tendo sido notificada a requerente da operação”, explicou.

A OPA está sujeita à apreciação da CMVM e tem ainda de ter parecer favorável da Autoridade da Concorrência (AdC) e da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que agora deu ‘luz verde’.

A OPA da Cofina foi anunciada a 21 setembro, quando a dona do Correio da Manhã e do Jornal de Negócios, entre outros títulos, indicou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

Nesse dia, a Cofina fez o anúncio preliminar da operação, e o pedido de registo da oferta pública junto da CMVM foi concretizado a 11 de outubro. A CMVM, entretanto, solicitou um auditor independente para fixar a contrapartida da oferta.

Ler mais
Relacionadas

Fusão Cofina/Media Capital: Prazo para que AdC se pronuncie está suspenso à espera da ERC

Autoridade da Concorrência explica que não é o processo que está suspenso, mas sim a contagem de 30 dias para que a entidade liderada por Margarida Matos Rosa delibere sobre a fusão, já que o regulador continua a trabalhar no processo.

CMVM determina nomeação de auditor independente para fixar a contrapartida mínima na OPA à Media Capital

A CMVM solicitou à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas a nomeação de um auditor independente para fixação da contrapartida mínima a oferecer na Oferta Pública de Aquisição sobre as ações representativas do capital social da Grupo Média Capital, SGPS preliminarmente anunciada pela Cofina – SGPS a 21 de setembro de 2019

Compra da Media Capital pela Cofina pode ser “maior ameaça à democracia portuguesa”, disse Nuno Artur Silva dias antes de ir para o Governo

O novo responsável do Governo para a comunicação social mostrou-se preocupado com a compra da Cofina pela Media Capital num artigo de opinião publicado uma semana antes de entrar no Governo. Este negócio vai ser avaliado pela Concorrência, Anacom e ERC. Somente um parecer negativo da ERC é que pode travar este negócio.
Recomendadas

Huawei já tem 91 contratos para fornecer tecnologia 5G pelo mundo

Apesar da pressão dos EUA sobre países aliados para excluírem a empresa chinesa da expansão das suas redes, 47 dos contratos assinados até agora foram feitos na Europa, 27 na Ásia e os restantes 17 em países não especificados.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.
Comentários