ERC dá parecer positivo à cooptação de Manuela Melo para Conselho Geral Independente da RTP

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) deu parecer positivo à cooptação da antiga jornalista Manuela Melo para membro do Conselho Geral Independente (CGI) da RTP, divulgou a entidade no seu ‘site’.

“O Conselho Regulador da ERC, reunido a 21 de outubro, deliberou pela inexistência de obstáculos legais que impeçam a indigitação, por cooptação, de Maria Manuela de Macedo Pinho e Melo para membro do Conselho Geral Independente da RTP”, pode-se ler no comunicado publicado no ‘site’ da entidade, datado de 22 de outubro.

“A ERC considerou que esta personalidade reúne os requisitos pessoais exigidos pelo art.º 14.º, n.º 1, dos Estatutos da RTP, atestados pelo seu curriculum vitae, e que inexistem incompatibilidades suscetíveis de obstarem à sua cooptação”, faz saber o regulador dos media.

Manuela Melo nasceu em Viseu em 1945, foi jornalista da RTP entre 1973 e 1990, tendo posteriormente sido vereadora da Câmara do Porto por 12 anos. Foi cofundadora e professora da Escola de Jornalismo do Porto, além de ter servido como deputada na Assembleia da República entre 2002 e 2010.

Assim, Manuela de Melo completa o órgão, depois de Alberto Arons de Carvalho, indigitado pelo Governo, e Leonor Beleza, indicada pelo Conselho de Opinião da RTP, terem obtido igual aprovação da ERC a 25 de setembro. Estas personalidades substituirão os membros cessantes, o presidente do CGI, António Feijó, Diogo Lucena e a Simonetta Luz Afonso.

Agora, Manuela de Melo, Leonor Beleza e Arons Carvalho juntam-se aos três membros atuais do CGI: os professores catedráticos Helena Sousa e José Vieira de Andrade e o diplomata Francisco Seixas da Costa.

Com a equipa completa, proceder-se-á à eleição do novo presidente do CGI.

O Conselho terá entre os seus dossiês a decisão acerca do método de escolha do novo Conselho de Administração da RTP.

A equipa de gestão atual, liderada por Gonçalo Reis, termina o mandato no final deste ano.

O Conselho Geral Independente foi criado em 2014, pelo então ministro da tutela Miguel Poiares Maduro. O órgão é composto por seis membros, um presidente e cinco vogais, e os mandatos têm a duração de seis anos, sendo que três dos elementos são substituídos a meio do mandato.

Dos seis elementos, dois são designados pelo Governo, dois pelo Conselho de Opinião e os restantes dois cooptados pelos quatro anteriores.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários