PremiumCatólica Porto Business School quer elevar qualidade da gestão no país

Em entrevista ao JE, Rui Soucasaux Sousa diz que a escola de negócios que vai liderar até 2023 quer ter papel-chave na melhoria da gestão das empresas. No curto prazo, é desafio a mobilidade internacional, dificultada pela pandemia.

A Católica Porto Business School tem novo dean. Rui Soucasaux Sousa, professor e investigador há cerca de 20 anos na escola de negócios da Universidade Católica na Invicta, onde desempenhou praticamente todas as funções de grande responsabilidade que havia, chega à liderança em plena crise sanitária e económica provocada pela Covid-19.

A visão do líder sai afetada?“A visão que tenho para a Escola a médio-prazo mantém-se”, diz ao Jornal Económico. O curto prazo é, assim, a questão. “Será, por exemplo, necessário, refletir sobre o modelo de ensino que pretendemos ter. Em particular será útil revisitar o princípio de Bolonha do ensino centrado no aluno, mas agora num contexto em que temos ao nosso dispor uma panóplia de meios tecnológicos poderosos para atingir tal objetivo”, adianta.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Matrículas só são obrigatórias para alunos que começam novo ciclo

Ministério da Educação decidiu mudar as regras face às dificuldades sentidas nas últimas semanas por pais e encarregados de educação. Site das matrículas até foi alvo de ataques informáticos.

Ministério da Educação dá vínculo a mais 872 professores

A Direção-Geral da Administração Escolar publicou esta terça-feira, 7 de julho, as listas definitivas do concurso externo de professores que pode consultar aqui. O número candidatos voltou a subir, passando de 34 mil, em 2019, para quase 37 mil em 2020.

Perdas até 21 mil milhões. Universidades britânicas em risco de declarar insolvência devido à Covid-19

Sem identificar, o estudo da IFS conclui que as universidades mais prestigiadas terão mais probabilidades de sobreviver aos impactos da crise pandémica. Antecipam-se perdas que podem chegar a 21 mil milhões de euros.
Comentários