Escritório de advogados de José Luís Arnaut faturou 406 mil euros com a REN, onde é administrador

É consensual entre a energética e o antigo governante que não há conflito de interesses entre a posição de administrador não executivo e os serviços jurídicos prestados.

Desde 2014, a sociedade de advogados de José Luís Arnaut faturou pelo menos 406 mil euros com a REN – Rede Elétrica Nacional, onde é administrador não executivo, desde 2012. A CMS Rui Pena & Arnaut, segundo as contas que o Expresso apresenta esta quarta-feira.

Por exemplo, só em 2017, a CMS Rui Pena & Arnaut faturou 96 mil euros à REN, o que corresponde a um aumento de 81% face aos primeiros nove meses de 2017, de acordo com os números divulgados pela REN no prospeto do aumento de capital submetido na semana passada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Ao que o semanário apurou, é consensual entre a energética e o antigo governante que não há conflito de interesses entre a posição de administrador não executivo e os serviços jurídicos prestados.

Isto porque a REN também trabalha com outras sociedades de advogados, como a PLMJ, a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva ou Vieira de Almeida, e a subida deste ano na faturação do escritório com a REN estará ligado mudanças no Código dos Contratos Públicos.

Tal como nota a mesma publicação, até ao passado mês de setembro, a faturação da CMS Rui Pena & Arnaut à REN ultrapassou todo o montante que a sociedade de advogados conseguiu em 2016 (87 mil euros) e em 2015 (82 mil euros). Já a REN somou 32,2 milhões de euros em fornecimentos e serviços externos, no terceiro trimestre de 2017.

Relacionadas

CMS Rui Pena & Arnaut contratou 17 advogados até outubro

O escritório promoveu ainda 12 advogados, no ano em que completa 15 anos.
Recomendadas

Auditores: o desafio de validar projetos ‘verdes’

Importância crescente das finanças sustentáveis torna necessária a existência de entidades independentes que certifiquem o cumprimento das metas de sustentabilidade, perante os investidores, os clientes e outros ‘stakeholders’. Auditores falam da importância das agências de ‘rating’ e da legislação europeia.

Morais Leitão e VdA assessoram aumento de capital da EDP

No apoio jurídico a esta operação estiveram ainda as sociedades de advogados britânicas Clifford Chance e Allen & Overy LLP.

PLMJ assessorou Wizink numa operação de 510 milhões de euros

“A operação de emissão de obrigações de titularização denominada “Victoria Finance no. 1”, colateralizada pelas receitas da titularização do portfolio de cartões de crédito, inédita em Portugal, foi aprovada pelo regulador do mercado de capitais, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários e foi fundamental para a consolidação da estratégia da WiZink para o mercado português”, disse a PLMJ, em comunicado.
Comentários