Espaço escolhido para congresso do CDS-PP não tem capacidade para receber todos os participantes

O Centro de Congressos de Aveiro foi o local escolhido pela direção do CDS-PP para receber o 28.º congresso nacional do CDS-PP, entre os dias 25 e 26 de janeiro, por oferecer as “melhores condições logísticas e financeiras”, mas o auditório pode receber apenas um máximo de 730 dos 1.300 delegados.

assunção_cristas_cds_legislativas
António Cotrim/Lusa

O Centro de Congressos de Aveiro, escolhido para receber o congresso do CDS-PP entre os dias 25 e 26 de janeiro, não tem capacidade para acolher os 1.300 delegados que vão eleger o sucessor da líder demissionária Assunção Cristas. O espaço conta com 785 metros quadrados e tem lotação máxima para 730 pessoas, menos 570 do que o total de congressistas, a que acrescem jornalistas e convidados.

O Centro de Congressos de Aveiro, que pertence à autarquia, tem dois auditórios “que permitem receber até mil participantes diariamente” e três salas mais pequenas. De acordo com a informação disponibilizada no site da Câmara Municipal de Aveiro, “a polivalência destas salas é uma mais valia para o organizador de eventos, pois é possível montar as salas de acordo com o desejado” e o espaço está “equipado com projeção e sonoplastia adequada à realização de todo o tipo de eventos”.

No entanto, o grande auditório, onde se prevê que venha a realizar-se o congresso, apenas consegue receber 730 pessoas. Fonte do CDS-PP diz que a atual direção está a contar com várias ausências e quer colocar os congressistas que não conseguirem lugar no grande auditório, num outro espaço a acompanhar pela televisão. Uma possibilidade seria o auditório pequeno, que tem uma capacidade para 190 pessoas, mas que ainda assim fica aquém do número total de presenças esperadas.

“O que deveria ser um congresso aberto e transparente parece estar preparado para a clausura e o condicionamento”, comentou o conselheiro nacional do CDS-PP Mário Cunha Reis, numa publicação no Facebook, onde salienta que com cerca de “1.500 pessoas” esperadas, vai ser como “meter o Rossio na Rua da Betesga”.

Também Américo Silva Dias, ex-deputado municipal no Funchal que disputou a liderança do CDS-PP/Madeira com Rui Barreto em julho do ano passado, considera que “vai ficar muita gente de pé”. Pedro Carvalho, da distrital do CDS/Porto, diz que “é uma vergonha e mais um ato de gestão vergonhoso” e Luís Morgado Pinto, do CDS/Portalegre, que “desta direção e secretaria-geral não se espera nada”.

A escolha do Centro de Congressos de Aveiro para a realização do 28.º congresso nacional do CDS-PP foi anunciada pelo secretário-geral do CDS-PP, Pedro Morais Soares, após uma reunião em comissão organizadora do congresso, a que preside. Nas palavras de Pedro Morais Soares, esta era a opção que reunia as “melhores condições logísticas e financeiras” para o partido e os delegados, que vêm maioritariamente das regiões norte e centro.

Esta não é a primeira vez que um líder do CDS-PP é eleito em Aveiro. Em 1985, a cidade foi escolhida para o sexto congresso nacional centrista, que deu vitória a Francisco Lucas Pires, sem oposição. Nessa altura, o congresso do CDS-PP aconteceu no Cine Teatro Avenida, o mesmo onde se realizou o III congresso da Oposição Democrática, em abril de 1973, e que foi entretanto reestruturado e hoje em dia se chama Edifício Avenida.

Ler mais
Recomendadas

Bloco de Esquerda questiona Governo sobre impacto da poluição do Aeroporto Humberto Delgado

Os bloquistas querem saber que medidas estão previstas para mitigar os efeitos da poluição atmosférica, numa altura em que se prevê o tráfego aéreo aumente para os 72 aviões por hora, mais do que um por minuto.

PSD quer audição urgente de Mário Centeno no Parlamento devido a alteração nas PPP

Deputados sociais-democratas da Comissão de Orçamento e Finanças querem ouvir ministro das Finanças por estarem preocupados com “diminuição da transparência” na constituição de parcerias público-privadas.

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.
Comentários