Esperamos que comparticipação da República no novo hospital não seja mais uma mentira, diz Pedro Ramos

Em relação ao concurso que decorre para a construção do novo hospital, o Secretário espera que o processo esteja concluído até ao final deste ano, para que as obras possam iniciar-se em 2020.

“Esperamos que a comparticipação da República [no novo hospital da Madeira] seja de facto uma realidade e não seja mais uma mentira que até agora temos assistido”, disse o Secretário Regional da Saúde, Pedro Ramos, esta terça-feira.

Pedro Ramos referiu que ainda ninguém confirmou os 175 milhões de euros, que correspondem aos 50% de comparticipação do Governo da República, num investimento que vai ser no total de 350 milhões de euros.

“Queremos voltar a frisar que as infraestruturas existentes na Região Autónoma da Madeira (RAM), como o Hospital Dr. Nélio Mendonça e o Hospital dos Marmeleiros não entram nessas contas do novo hospital da Madeira”, salientou.

Em relação ao concurso que decorre para a construção do novo hospital, o Secretário espera que o processo esteja concluído até ao final deste ano, para que as obras possam iniciar-se em 2020.

“Estamos numa fase preparatória para as candidaturas apresentarem os seus projetos, para depois serem objeto de análise, para depois fazer a escolha”, disse, depois da assinatura do Acordo Coletivo de Trabalho e do Acordo de Empresa  com o Sindicato Independente dos Médicos e com o Sindicato dos Médicos da Zona Sul.

Recomendadas

Funchal já gastou 2,9 milhões de euros em programas de ocupação em contexto de trabalho

A autarquia do Funchal quer que este tipo de programas sejam suportados por fundos comunitários.

Convenção BE Madeira: O que defende Tiago Camacho

O candidato à coordenação do BE Madeira defende na moção que a coligação na Câmara Municipal do Funchal é para manter, e que é necessária existir uma reformulação dos bloquistas madeirenses, acrescentando que o partido deve mostrar que é “real alternativa de governo”.

Como poupar na utilização do carro

Escolha um modelo adaptado às suas necessidades. Não escolha um carro grande, se não precisa, pois consome até 50% mais combustível do que os modelos mais pequenos.
Comentários