PremiumEsquerda une-se contra modelo de nomeação tripartida do governador

Proposta do CDS-PP envolvia Governo, Parlamento e Presidente da República na nomeação do líder do banco central. Governo quer alterar processo de exoneração.

Aplicava-se à forma de nomeação dos membros dos órgãos de direção de 10 entidades administrativas independentes, mas o debate no Parlamento centrou-se em apenas um cargo de uma dessas entidades: o governador do Banco de Portugal (BdP). A proposta do CDS-PP visava introduzir um modelo de nomeação tripartida: o Governo propõe, o Parlamento ouve e o Presidente da República nomeia. Mas foi chumbada ontem por uma maioria de esquerda (PS, BE e CDU) que, alinhada com o Governo, prefere alterar o processo de exoneração do governador.

Os 108 votos a favor do PSD, CDS-PP e PAN não foram suficientes para aprovar o projeto de lei que estabelecia “o regime de nomeação e cessação de funções dos membros dos órgãos de direção das entidades administrativas independentes e define igualmente os pressupostos e os termos do procedimento de impugnação do mantado dos membros daqueles órgãos”. Além do BdP, a proposta incidia sobre outras nove entidades administrativas, a saber: Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF); Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM); Autoridade da Concorrência (AdC); Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos; Autoridade Nacional de Comunicações; Autoridade Nacional da Aviação Civil; Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT); Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos; Entidade Reguladora da Saúde.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumRui Barros: “Estamos a assistir a uma nova tendência: hiperpersonalização”

O responsável da Accenture Technology explica como as novas tecnologias estão a alterar a forma como vivemos e quais as grandes tendências a nível mundial.

PremiumJorge Pavão de Sousa, Eleven Sports: “Todas as operadoras estão em pé de igualdade”

Em entrevista ao JE, o diretor-geral da Eleven Sports Portugal revelou que as decisões iniciais da distribuidora não terão sido as mais acertadas na abordagem ao mercado nacional. Mas desde dia 12 de fevereiro “todas estão em pé de igualdade”. As negociações com as operadoras levaram meses, sendo mesmo necessária a intervenção direta do proprietário da empresa, Andrea Radrizzani.

Premium“A caminho dos 40 é que vou tirar um curso novo?”, diz professora desempregada

Uma professora, após oito anos a contratos, fica sem colocação. Um artista nada recebe pelas exposições que realiza e um estivador nunca sabe se amanhã há o que fazer. Três casos entre 8,9% dos madeirenses.
Comentários