“Está na hora de libertar a economia”, diz Iniciativa Liberal

“Vamos naturalmente esperar por quinta-feira para ver o que o Governo nos diz”, disse o candidato à autarquia de Lisboa, acrescentando que “estas decisões não podem estar a ser tomadas naquilo que são os calendários eleitoralistas nomeadamente das autárquicas”. 

O candidato à Câmara Municipal de Lisboa (CML) apoiado pela Iniciativa Liberal (IL), Bruno Horta Soares, defendeu que está na hora de libertar a economia, esta terça-feira, 27 de julho.

Depois da reunião do Infarmed com o Governo e partidos com representação, Bruno Horta Soares referiu que o partido acredita que “está na hora de libertar a economia, está na hora de libertar o país e não gostávamos de continuar a assistir a movimentos calculistas por parte do Governo que mais não são decisões políticas”.

“Vamos naturalmente esperar por quinta-feira para ver o que o Governo nos diz”, disse o candidato à autarquia de Lisboa, acrescentando que “estas decisões não podem estar a ser tomadas naquilo que são os calendários eleitoralistas nomeadamente das autárquicas”.

Para Iniciativa Liberal “cada dia conta, cada dia que passa é um dia que profissionais que estão sem trabalhar há meses e meses vão poder voltar a ver ter as suas vidas e nós não queremos esperar por meados de setembro para a ultima da hora o governo aparecer como o libertador do país”.

A perspetiva liberal hoje apresentada por Bruno Horta Soares aos jornalistas não é novidade, uma vez que o líder do partido defendeu a mesma visão em reunião com o Presidente da República ontem.

“Reforçamos a nossa opinião de que Portugal tem nesta altura a obrigação de pela primeira vez desde que a pandemia foi declarada de colocar a liberdade à frente da segurança e de desconfinar muito mais cedo do que aquilo que o Governo tem tenções de fazer”, admitiu João Cotrim Figueiredo, sugerindo o único de agosto como a altura ideal para o desconfinamento.

Relacionadas

PEV e PAN defendem que alívio de restrições estão reunidas

“Temos todas as condições para o fazer”, disse Mariana Silva, deputada do PEV, acrescentando que os cuidados individuais e coletivos estão a ser incutidos aos portugueses há um ano e meio.

PSD saúda revisão da “matriz de risco” e pede que “recomendações se reflitam no Conselho de Ministros”

o PSD “espera que aquilo que são as recomendações dos especialistas sejam refletidas rapidamente no conselho de ministros” e que esta articulação com os sectores mais afetados da economia, como é o caso do turismo.
José Luís Carneiro no Infarmed

PS: “Todos devem contribuir para que imunização ocorra em todo o país”

José Luís Carneiro afirmou esta terça-feira, após a reunião do Infarmed, onde esteve presente, que a “campanha de vacinação está a conseguir alcançar os seus resultados porque tem permitido diminuir a incidência”.
Recomendadas

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.

Portugal tem 83% da população totalmente vacinada contra a Covid-19

DGS contabiliza mais de 8,8 milhões de pessoas (86%) no país com pelo menos uma dose.
Comentários