Estádio Nacional de Cabo Verde quer receber estágios de clubes internacionais

De acordo com o gestor da infraestrutura desportiva, para a materialização desse desafio é preciso criar condições a nível de alojamento, “não do tipo albergue”, cozinha e lavandaria.

O gestor do Estádio Nacional de Cabo Verde, Orlandinho Mascarenhas, revelou esta terça-feira, na cidade da Praia, que o maior desafio desta infraestrutura desportiva é passar a receber estágios de clubes internacionais. A intenção foi manifestada em entrevista à agência noticiosa Inforpress para fazer o balanço dos cinco anos da entrada em funcionamento do Estádio Nacional, inaugurado a 23 de agosto de 2014, com um jogo entre as seleções femininas de Barlavento e Sotavento.

De acordo com este responsável, para a materialização desse desafio é preciso criar condições a nível de alojamento, “não do tipo albergue”, cozinha e lavandaria. “Temos que criar todas essas condições para dar um salto qualitativo”, referiu Orlandinho Mascarenhas, acrescentando que todo esse trabalho passa também pelo desafio de manter o estádio sempre funcional e em boas condições.

Questionado sobre estes cinco anos de funcionamento, Orlandinho Mascarenhas, que gere o estádio há três anos, classificou de “extremamente positivo”, uma vez que o propósito de o tornar funcional foi conseguido. A partir daí, a meta é torná-lo rentável. Orlandinho Mascarenhas informou ainda que, atualmente, a gestão assume 50 por cento das suas despesas, com a redução dos custos de manutenção.

“Além de futebol e atletismo, que é nossa vocação, apoiamos todas as modalidades desportivas e nos últimos anos temos recebido caravanas de clubes e organizados eventos como casamentos, formaturas e batizados”, justificou.

De entre esses eventos, Orlandinho Mascarenhas destacou o acolhimento, em outubro de 2017, as atividades centrais do fórum mundial desenvolvimento local. E adiantou que o Estádio Nacional emprega hoje 17 pessoas e conta com chineses que trabalham a nível da manutenção da infraestrutura, cujos salários são suportados pelo governo chinês.

Com capacidade para 15 mil lugares sentados, 5.000 deles cobertos, o Estádio Nacional está equipado com torres de iluminação e dispõe de 80 câmaras de vigilância, com um alcance entre 300 a 500 metros.

A infraestrutura desportiva ocupa uma área de 11.530 metros quadrados, está equipada com relva sintética, autorizada pela FIFA, e dispõe de uma pista de atletismo, em tartan, com oito corredores. Além dos balneários e da cabine de imprensa, conta com salão para fisioterapia, espaços apropriados para a polícia, bombeiros e médicos, bem como para outros agentes desportivos, e no exterior há lugares para a prática das disciplinas de lançamentos no atletismo – dardo, disco e martelo.

O custo do estádio ascendeu a 1.480 milhões de escudos (cerca de 12,6 milhões de euros) e foi financiado no âmbito de ajudas gratuitas e empréstimos sem juros concedidos pelo governo chinês, no quadro dos acordos de cooperação económica e técnica assinados entre os dois governos.

Ler mais
Recomendadas

União Europeia desafia Cabo Verde a incluir dimensão de género nos compromissos futuros

A embaixadora da União Europeia em Cabo Verde lembrou que o programa OGP tem um financiamento de oito milhões de euros e é “uma iniciativa importante na cooperação bilateral” entre o bloco europeu e o país africano.

Portugal e Cabo Verde querem combate ao racismo “todos os dias” com serenidade e inteligência

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu um combate “pela positiva” a manifestações racistas e discriminatórias.

Cabo Verde lidera entre centena de deportados dos PALOP pelos Estados Unidos

O número de cabo-verdianos deportados, por vários motivos, mas sobretudo imigração ilegal, desceu no ano passado para 50, face aos 68 de 2018.
Comentários