PremiumEstado ignorou alertas de “risco de fraude” na CGD durante sete anos

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.

O risco de fraudes e erros na gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) já tinha sido identificado pelo órgão de fiscalização do banco desde 2007, mas os alertas não tiveram a devida atenção e acompanhamento do supervisor e dos sucessivos governos até 2014, de acordo com os relatórios e contas do banco do Estado. O Revisor Oficial de Contas (ROC) da Caixa alertou, em 2007, para o  risco de “fraudes ou erros” poderem ocorrer sem serem detetados devido às limitações do sistema de controlo interno (SCI) do banco público nas áreas de gestão de risco, compliance e auditoria interna.

Este alerta surgiu na administração da CGD liderada por Carlos Santos Ferreira, o qual recusou fazer qualquer comentário ao Jornal Económico. O aviso do ROC acabou também por não merecer a devida atenção do governo da altura, chefiado por José Sócrates, e pelo Banco de Portugal (BdP), então liderado por Vítor Constâncio. Neste caso, apesar de instruções do supervisor, em 2008, para reforço do SCI dos bancos, no final de 2015 permaneciam ainda falhas nos procedimentos internos que se traduziram num aumento grave da exposição da CGD ao risco, tal como a EY assinalou na versão preliminar da auditoria  à gestão da Caixa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

CGD esteve perto da resolução em 2016 se não fosse feita a recapitalização de 5.000 milhões, disse o Ministro das Finanças

O ministro explicou também que foi, nesse sentido, que mandatou a CGD para enviar o relatório da auditoria à Procuradoria-Geral da República e ao Banco de Portugal. Além disso, a CGD constituiu-se como assistente para poder acompanhar o processo judicial, afirmou.

Caixa Geral de Depósitos lidera queixas financeiras à Deco em 2018

Além das comissões cobradas pelo banco, a CGD foi motivo de reclamações à Deco por causa de aplicações financeiras adquirias pelos clientes, nomeadamente no que diz respeito à sua rentabilidade, à possibilidade de resgate e penalização associada ao resgate e ainda ao facto de algumas dessas aplicações não poderem ser resgatadas.

Governo quer que auditoria à Caixa seja levada “até às últimas consequências”

Mário Centeno vincou perante os deputados que a auditoria à Caixa foi solicitada já com o actual Executivo, pela primeira vez em 20 anos, “ao fim de oito ministro das Finanças e sete Governos”.
Recomendadas

Pedro Neves não vê “nexo causal” entre financiamento da CGD aos acionistas do BCP e ida de dois administradores para o banco privado

“O Banco de Portugal teve sempre uma posição de independência em relação às partes envolvidas na guerra do BCP”, disse Pedro Duarte Neves. “Mas a CGD estava a financiar um dos lados [do conflito]?”, confrontou um deputado. A isto Pedro Neves respondeu: “o crédito veio da CGD, mas podia ter vindo de outro banco”. O ex-vice-Governador disse que não houve violação da norma de concentração de risco a uma única entidade.

Vítor Constâncio nega “interferência” do Banco de Portugal na luta pelo BCP

O ex-governador do Banco de Portugal garantiu esta terça-feira, no parlamento, que o supervisor não exerceu qualquer “interferência” nas lutas pelo poder no BCP em 2007.

Constâncio diz que “calúnias” sobre si servem propósitos de Filipe Pinhal e de Joe Berardo

As “calúnias” sobre si “podem servir de tentativa de vingança de alguns dos que foram condenados e afastados do sistema como, por exemplo, o dr. Filipe Pinhal”, disse o antigo supervisor. Constâncio também apontou que as “calúnias” servem o “interesse objetivo de uma pessoa: o senhor José Berardo”.
Comentários