Estado obrigado a devolver IVA de prédios desocupados a proprietários

A decisão é do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) e vai permitir aos proprietários pedir a restituição de milhões de euros pagos nos últimos quatro anos.

Os proprietários de imóveis comerciais, industriais e de serviços para arrendamento não são obrigados a devolver o IVA deduzido ao Fisco, caso não consigam colocar os prédios no mercado. A decisão é do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) e vai permitir aos proprietários pedir a restituição de milhões de euros pagos nos últimos quatro anos, avança o “Jornal de Negócios”.

A isenção do pagamento do imposto esbarra com a posição da Autoridade Tributária, que exigiu à Imofloresmira, uma sociedade de investimentos imobiliários representada pela PLMJ, a devolução de parte do IVA que tinha deduzido. A decisão baseia-se nas regras de renúncia à isenção do IVA, uma vez que consideram que a empresa é obrigada a restituir o “benefício” que obteve ao poder deduzir o IVA, tendo em conta que o edifício está devoluto há mais de dois anos.

A Imofloresmira recorreu para o TJUE, que considerou que a partir do momento em que a Autoridade Tributária aceita que um proprietário renuncie à isenção do IVA, só pode obrigá-lo a restituir o imposto que já deduziu se estivermos perante uma tentativa de fraude fiscal. “Com esta sentença, muda-se o paradigma do IVA no imobiliário”, afirma Serena Cabrita Neto, advogada da PLMJ.

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários