Estado obrigado a devolver IVA de prédios desocupados a proprietários

A decisão é do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) e vai permitir aos proprietários pedir a restituição de milhões de euros pagos nos últimos quatro anos.

Os proprietários de imóveis comerciais, industriais e de serviços para arrendamento não são obrigados a devolver o IVA deduzido ao Fisco, caso não consigam colocar os prédios no mercado. A decisão é do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) e vai permitir aos proprietários pedir a restituição de milhões de euros pagos nos últimos quatro anos, avança o “Jornal de Negócios”.

A isenção do pagamento do imposto esbarra com a posição da Autoridade Tributária, que exigiu à Imofloresmira, uma sociedade de investimentos imobiliários representada pela PLMJ, a devolução de parte do IVA que tinha deduzido. A decisão baseia-se nas regras de renúncia à isenção do IVA, uma vez que consideram que a empresa é obrigada a restituir o “benefício” que obteve ao poder deduzir o IVA, tendo em conta que o edifício está devoluto há mais de dois anos.

A Imofloresmira recorreu para o TJUE, que considerou que a partir do momento em que a Autoridade Tributária aceita que um proprietário renuncie à isenção do IVA, só pode obrigá-lo a restituir o imposto que já deduziu se estivermos perante uma tentativa de fraude fiscal. “Com esta sentença, muda-se o paradigma do IVA no imobiliário”, afirma Serena Cabrita Neto, advogada da PLMJ.

Recomendadas

Novo regime dos recibos verdes vai abranger 300 mil trabalhadores

“Poderemos atingir valores à volta dos 300 mil trabalhadores cobertos por este novo sistema”, disse Vieira da Silva à margem de uma conferência sobre o novo regime contributivo dos trabalhadores independentes, promovida pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), em Lisboa.

Comércio “altamente” dependente de flutuações de preços do petróleo

Um aumento do preço do petróleo resulta numa deterioração das trocas comerciais e numa diminuição do poder de compra das famílias, segundo estudo publicado no ‘Economic Bulletin Issue’ do BCE.

‘Fair play’ financeiro: UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain

Investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.
Comentários