Estado pagou 473 milhões de euros a privados por exames e análises

As análises clínicas (176,4 milhões de euros), a radiologia (107 milhões de euros) e a medicina física e de reabilitação (100 milhões de euros) foram as áreas que mais pesaram na fatura.

No ano passado, o Estado pagou 473 milhões de euros a privados por exames médicos e análises clínicas, noticia o “Público” na edição desta terça-feira. De acordo com a informação transmitida pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), trata-se de um aumento de 5,3% comparativamente ao ano anterior.

As análises clínicas (176,4 milhões de euros), a radiologia (107 milhões de euros) e a medicina física e de reabilitação (100 milhões de euros) foram as áreas que mais pesaram na fatura.

“Os aumentos registados acompanham o crescimento da atividade assistencial que tem vindo a ser realizada no Serviço Nacional de Saúde e são mais significativos na área de endoscopia gastroenterológica e da medicina física e reabilitação”, refere a jornal a ACSS.

A entidade afirma também que esse acréscimo no montante corresponde “a um aumento do acesso ao diagnóstico e tratamento dos utentes com necessidades em saúde mais direccionadas a estas áreas”.

Recomendadas

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

CGTP considera medidas na proposta de OE2022 insuficientes

A intersindical reconhece o mérito do desdobramento dos escalões do IRS, mas considera esta medida “manifestamente insuficiente” e pede mais rasgo no combate ao “modelo de precariedade” que vigora em Portugal.
Comentários