“Estamos entregues a um grupo de irresponsáveis, não sabem o que é a dignidade do Estado”. As frases mais significativas de Freitas do Amaral

“Ninguém traiu ninguém”, dizia o fundador do CDS sobre a saída do partido que ergueu. Aquele que foi um dos ‘pais’ da democracia, insurgiu-se com a demissão irrevogável de Portas (e o respetivo regresso) e com aquilo que considerava ser a “ditadura europeia” imposta por Merkel e Sarkozy.

“Não te preocupes, se desta vez só pudemos fazer campanha em metade do País e tivemos 7,6%, para as próximas conseguiremos ir a todo o lado e teremos o dobro da votação”

Observação de Freitas do Amaral a Adelino Amaro da Costa no rescaldo das primeiras eleições livres em Portugal em abril de 1975

 

“É capaz de ser imperialismo, hegemonia, colonialismo, protetorado, mas o que temos é uma ditadura de dois chefes de estado ou de governo a mandar em dezenas de países”

Em novembro de 2011, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros acusa França e Alemanha de liderarem a União Europeia contra princípios democráticos

 

“Nós estamos entregues a um grupo de irresponsáveis, de pessoas que não sabem o que é governar um país, não sabem o que é a dignidade do Estado e não sabem as regras mais elementares da democracia (…). Não sabem nada, fazem tudo mal”

Em 2013, depois de Paulo Portas se demitir de forma irrevogável do governo liderado por Pedro Passos Coelho

“Não fui visitá-lo. Mas rezei por José Socrates”

Em entrevista ao jornal Público

 

“Ninguém traiu ninguém. Todos podemos, pois, olhar-nos, falar-nos e cumprimentar-nos uns aos outros sem qualquer embaraço ou desconfiança. Continuamos irmãos, embora separados. Que o mesmo é dizer: separados, mas irmãos”

Foi desta forma que Freitas do Amaral terminou o seu testemunho no livro “CDS – 40 anos ao serviço de Portugal”, editado em 2015

 

“Ou falam da economia e das finanças para dizer que está tudo mal, o que o povo percebe que é mentira. Ainda no outro dia, ouvi um desses partidos dizer que, olhando para trás, está tudo pior que há quatro anos. É óbvio que não está, e não é com frases destas que se chega lá”

Em julho de 2015, Diogo Freitas do Amaral criticou a direita portuguesa, em entrevista à agência Lusa

 

 

 

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Freitas do Amaral: Cristas recorda coragem de fundador, CDS cumpre um minuto de silêncio

A notícia da morte de Freitas do Amaral, fundador do CDS, foi hoje recebida durante um almoço de campanha para as legislativas em Barcelos, Braga, e a líder centrista pediu aos militantes que cumprissem um minuto de silêncio.

Marcelo relembra Freitas do Amaral como “um dos quatro pais fundadores” da democracia nacional

“O Presidente da República, que, além do mais, perdeu um grande amigo pessoal de meio século, apresenta à sua Família a expressão de grande saudade, mas, sobretudo, da gratidão nacional para o que foi o papel histórico de ter sido aquele dos Pais Fundadores a integrar a direita conservadora portuguesa na Democracia constitucionalizada em 1976”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Morreu Freitas do Amaral, fundador do CDS e antigo deputado e ministro

O político encontrava-se internado há duas semanas. Freitas do Amaral lançou em junho deste ano o seu terceiro livro de memórias políticas, intitulado “Mais 35 anos de democracia – um percurso singular”.
Recomendadas

Comissão quer que solução adotada para PAN seja válida para novos deputados únicos

A recomendação abre a porta a que os deputados únicos do Chega, Iniciativa Liberal e Livre possam fazer uma intervenção de um minuto e meio no debate quinzenal com o primeiro-ministro desta quarta-feira. Falta apenas a aprovação do presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues.

PS quer dar um minuto para deputados únicos intervirem no Parlamento

O PS entregou hoje alterações ao Regimento da Assembleia da República, prevendo que os deputados únicos (Chega, Iniciativa Liberal e Livre) tenham um minuto de tempo de intervenção em debates quinzenais com o primeiro-ministro já na quarta-feira.

OE2020: “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou esta terça-feira que é “manifestamente exagerado dizer que há um processo de negociação” com o Governo com vista ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), referindo-se ao encontro marcado para quarta-feira.
Comentários