Estímulos económicos na China e na Alemanha ‘dão asas’ a Wall Street

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse este domingo que não existe um risco de recessão e que não há perigo de a economia norte-americana desestabilizar.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque encerram em alta, tal como haviam iniciado a sessão. As medidas para estimular a economia anunciadas pela Alemanha, assim como uma possível alteração do cálculo da taxa de juro na China impulsionaram os mercados esta segunda-feira.

A chanceler Alemã, Angela Merkel, anunciou uma injeção de capital de 50 mil milhões de euros para estimular maior economia da zona euro. Na China, o banco central revelou, sábado, que tem planos para alterar o sistema de cálculo da taxa de juro de referência, o que poderá tornar o financiamento para as empresas mais acessível.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse este domingo que não existe um risco de recessão e que não há perigo de a economia norte-americana desestabilizar, o que também teve um impacto positivo no desempenho dos índices.

O S&P 500 valorizou 1,17%, para 2.922,47 pontos; o tecnológico Nasdaq ganhou 1,52%, para 7.719,32 pontos; e o industrial Dow Jones  avançou 0,96%, para 26.134,91 pontos.

O mercado e os investidores centram agora as atenções para a publicação das minutas da reunião da Reserva Federal norte-americana que aconteceu em julho, na qual o banco central dos EUA anunciou o primeiro corte das taxas de juro em dez anos.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está em alta. Em Londres, o barril de Brent, sobe 1,93%, para 59,77 dólares e, nos EUA, o West Texas Intermediate ganha 2,44%, para 56,15 dólares.

 

Ler mais

Relacionadas

Estímulos económicos e palavras de Trump impulsionam Wall Street

Nos EUA, Donald Trump revelou que não existe qualquer perigo de recessão para a economia norte-americana, o que está a ter um impacto positivo nos índices bolsistas
Recomendadas

PSI 20 em queda acompanha Europa condicionada pelos receios de propagação do coronavírus

Doze empresas cotadas desvalorizam, cinco valorizam e uma cotada negoceia sem variação na bolsa nacional.

Wall Street contagiada pelo Covid-19. Ganhos de 2020 foram anulados num dia

O petróleo também está a cair. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, tomba 4,12%, estando a negociar nos 55,55 dólares. Já o West Texas Intermediate, nos Estados Unidos, desvaloriza 3,97%, para 51,26 dólares.

Coronavírus em Itália leva a ‘mini-crash’ nas bolsas da Europa

NOS, Mota-Engil, CTT e BCP lideram nas quedas de mais de 5%. A Europa viu os mercados de ações caírem fortemente com o avanço do coronavírus no norte de Itália. O ouro acabou por ser visto como ativo de refúgio e sobe 1,81%. Ao contrário o petróleo está em queda expressiva.
Comentários