Estrangeiros são responsáveis por 82% do investimento imobiliário

Negócio médio no mercado nacional mais do que duplicou, situando-se nos 35 milhões de euros. Perfil do investidor mudou radicalmente desde 2014.

O peso do investimento estrangeiro no imobiliário em Portugal subiu para os 82%. Os investidores estrangeiros têm vindo a ganharpeso face aos nacionais, os family offices são cada vez mais relevantes enquanto investidores e o investimento estendeu-se a hotéis, equipamentos de ensino, de saúde e ativos industriais.

Este é o perfil traçado pela consultora Cushman &Wakefield, para o Jornal Económico. “O perfil do investidor imobiliário mudou drasticamente a partir de 2014”. A consultora salienta que “até a essa data o investimento imobiliário era dividido em partes iguais, entre investidores nacionais e estrangeiros”. Entre os estrangeiros, além dos habituais investidores europeus, o ‘apetite’ no território nacional estendeu-se aos players de origem asiática, americana e africana.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários