Estratégia de Segurança Nacional: História do guia para a política externa americana

Uma lei de 1986, criada em prol de uma maior cooperação e organização entre os três ramos das forças armadas, passou também a obrigar o Presidente dos Estados Unidos da América a ter uma Estratégia Nacional de Segurança, conhecida e discutida anualmente no Congresso.

A obrigatoriedade de o presidente dos Estados Unidos da América apresentar, anualmente, um relatório sobre a Estratégia de Segurança Nacional (NSS, na sigla em inglês) é uma consequência da lei de 1986, que reorganizou as forças armadas norte-americanas e que teve como primeiro objetivo garantir a existência de uma operação militar conjunta, ultrapassando deficiências de comunicação, mas, principalmente, limitando os problemas criados pela rivalidade entre os diferentes ramos. Permitiu também ao Congresso ter mecanismos de acompanhamento e mitigar a perceção de falibilidade do poder militar norte-americano, depois da guerra do Vietname, da intervenção fracassada no Irão e dos problemas sentidos no Líbano na invasão de Granada.

Depois de quatro anos e meio de debate, o Goldwater-Nichols Act foi finalmente assinado pelo então presidente Ronald Reagan a 1 de outubro de 1986. Reagan foi o primeiro a apresentar uma NSS, neste novo quadro, no início de 1987. Um documento muito marcado pela Guerra Fria, mas que, já ultrapassado o tempo da “paz através da força”, alterava o foco estratégico para a cooperação e a redução de armamento.

A legislação leva o nome do senador Barry Goldwater, um republicano do Arizona, antigo general da Força Aérea, que tinha sido candidato a presidente nas eleições de 1964, derrotado por Lyndon B. Johnson; e de Bill Nichols, um democrata do Alabama, que esteve por 21 anos como membro da Câmara dos Representantes, que com o Senado foram o Congresso norte-americano.

É assim iniciada a maior reorganização das forças militares norte-americanas desde o National Security Act de 1947, promovido na ressaca da II Guerra Mundial e que tornou a Força Aérea numa entidade autónoma e criou, por exemplo, o Conselho de Segurança Nacional e e o serviço de informações que é a CIA.

O foco da Goldwater-Nichols era a cadeia de comando das forças armadas, tanto civil como militar. Assim, os três ramos das forças armadas – exército, marinha e força aérea – deixam de ser linhas de comando completamente independentes e a autoridade operacional é centralizada no presidente do Estado-Maior Conjunto – o equivalente, em Portugal, ao chefe do Estado Maior General das Forças Armadas. O CJCS (na sigla em inglês) é designado como principal assessor militar do Presidente, do Conselho de Segurança Nacional (NSC, na sigla em inglês) e do secretário da Defesa.

A nova lei também reorganiza a estrutura de comandos militares em diversos “comandos”, por região geográfica, dividindo o poder por mais chefias do que as dos tradicionais dos três ramos. Estabelecem-se os comandos Central (CENTCOM), Europeu (EUCOM), do Pacífico (PACOM) e do Sul (SOUTHCOM). A que depois são acrescentados os comandos do Norte (NORTHCOM) e de África (USAFRICOM), completando os seis atualmente existentes. Além disso, são criados também comandos por função: de Operações Especiais (SOCOM), Estratégico (STRATCOM) e de Transporte (TRANSCOM).

Neste novo quadro, os papéis e as responsabilidades do secretário da Defesa – a parte civil da estrutura de comando das Forças Armadas – e do presidente do Estado-Maior Conjunto saíram reforçados. Mas, mais do que isso, dizem os analistas o Departamento de Defesa conseguiu, a partir daqui, transformar com sucesso as forças armadas numa organização capaz de planear e realizar de operações militares conjuntas complexas.

O que prevê a NSS

O Congresso passou, também, a ter um papel mais activo na relação com o poder militar, porque, desde logo, aprova os orçamentos, mas também porque, juntamente com a perspectiva financeira, a Casa Branca é obrigada a apresentar uma Estratégia de Segurança Nacional e as perspectivas de desenvolvimento em cada ano. A existência de uma NSS não é novidade – a primeira foi apresentada em 1950, pelo Presidente Harry Truman e criou a época que ficou conhecida como “Guerra Fria”. Mas, agora, pela primeira vez na história dos Estados Unidos da América, o Congresso obrigava o Presidente a delinear uma Estratégia de Segurança Nacional.

Por via das dúvidas, a secção 603 da Goldwater-Nichols estabelece exactamente, em cinco pontos, o que deve ser incluído na Estratégia de Segurança Nacional. Em primeiro lugar, deve identificar “os interesses globais, metas e objetivos dos Estados Unidos considerados vitais para a segurança nacional”. Depois, deve elencar as “capacidades de política externa, de compromissos globais e de defesa nacional necessárias para enfrentar agressões e para concretizar a NSS”. Tem de apontar a forma como vai utilizar, “a curto e a médio prazo, o poder político, económico e militar” norte-americano, “para proteger ou promover os interesses e atingir os objetivos e metas” estabelecidos. Em quarto lugar, é avaliada a “adequação das capacidades dos Estados Unidos para concretizar a NSS, incluindo uma avaliação do equilíbrio entre as capacidades de todos os elementos de poder nacional para apoiarem a concretização da NSS”. Por último, uma regra abrangente para definir que devem ser incluídas todas as “informações necessárias para ajudar a informar o Congresso”.

O primeiro teste do conceito foi a Guerra do Golfo de 1991 – “Operação Tempestade no Deserto” –, onde o novo quadro permitiu ao comandante da operação, o general Norman Schwarzkopf, exercendo um controlo total sobre os recursos do Exército, da Força Aérea e da Marinha.

No entanto, na prática, a Estratégia de Segurança Nacional é mais do que um quadro de organização e relações relativo às Forças Armadas, porque, depois de conhecida, é um guia com orientações estratégicas e com prioridades, nomeadamente no que respeita à política externa, onde as diversas agências de segurança nacional vão beber para fazer os seus próprios documentos de orientação e orçamentos.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImpressoras 3D transformam indústrias à boleia da era digital

Na quarta revolução industrial, as impressoras 3D já desempenham um papel relevante na produção de quase tudo, incluindo órgãos humanos. De acordo com um estudo do banco Internationale Nederlanden Groep, estima-se que, nas próximas duas décadas, um em cada dois produtos industriais será impresso a três dimensões.

PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.
Comentários