Etiqueta energética: veja como interpretá-la para poupar na fatura da luz

Escolher eletrodomésticos para a casa é uma decisão importante, sobretudo se queremos fazê-lo de forma ponderada para poupar na fatura da luz. Mas como é que sabemos se estamos a fazer a escolha mais adequada? Os aparelhos eletrónicos têm uma etiqueta energética, exatamente para ajudar nessa decisão. Explicamos como interpretar toda essa informação, neste artigo.

A etiqueta energética é uma ferramenta de apoio ao consumidor aquando da escolha de eletrodomésticos e de outros aparelhos consumidores de energia, para que escolha os produtos energeticamente mais eficientes.

Este rótulo apresenta todas as características dos aparelhos consumidores de energia para que possa compará-los e fazer uma escolha ponderada que vá ao encontro das suas necessidades e que implique um menor esforço financeiro.

A etiqueta energética é válida em toda a União Europeia e tem de ser utilizada, obrigatoriamente, em todos os Estados-membros, sendo que não precisa de tradução, uma vez que é cada vez mais desenvolvida com base em símbolos e valores de consumo de energia, permitindo quantificar o desempenho energético e identificar o tipo de produto a que se refere, sendo facilmente interpretada em qualquer língua.

Em suma, esta etiqueta atribui uma classe energética aos equipamentos, com base numa escala, consoante a energia que estes gastam no desempenho das suas funções.

Em que consiste a escala energética da etiqueta?

A escala energética tem 10 classes que vão da A+++ à G, sendo que a primeira é a mais eficiente e a última a menos eficiente.

Dentro da classe A, existem as categorias A+, A++ e A+++. As diferenças de eficiência entre estas classes podem ser bastante significativas, chegando um aparelho classificado como A+++ a consumir até menos 30% do que um produto de classe A ou até mesmo menos 60%, no caso de eletrodomésticos de refrigeração.

Que produtos contêm esta classificação?

Esta etiqueta foi desenvolvida para identificar:

  • Produtos consumidores de energia, tais como equipamentos residenciais (frigoríficos, máquinas de lavar, etc.);
  • Produtos que, apesar de não utilizarem energia diretamente, influenciam o seu consumo, tais como, por exemplo, um reservatório de água quente;
  • Produtos com elevada penetração de mercado;
  • Produtos com elevado potencial de redução de consumo energético e impacto ambiental.

Como interpretar a etiqueta energética?

A etiqueta energética foi desenvolvida para ser única no Espaço Económico Europeu, através da utilização de uma linguagem neutra com recurso a imagens e símbolos em vez de texto, de forma a que possa ser compreendida por todos os consumidores europeus.

Desta forma, um produto comercializado em Portugal deverá apresentar a mesma etiqueta energética que o mesmo produto comercializado em qualquer Estado-membro da Europa.

Existem produtos de diversas categorias e, por isso, a escala de eficiência energética e/ou os símbolos que constam da etiqueta energética podem variar. No entanto, existem elementos que são comuns a todas as categorias etiquetadas:

  1. Nome do fornecedor ou marca e identificação do modelo;
  2. Classe energética;
  3. Escala de eficiência energética que é representada através de setas coloridas que distinguem os produtos mais eficientes dos menos eficientes, através de uma cor e letra associadas ao seu desempenho;
  4. Consumo anual de energia em kWh;
  5. Imagens que representam algumas das características dos produtos etiquetados.

 

etiqueta-energética-inline

 

Para além da etiqueta energética, também deve ser disponibilizada a ficha de produto. Este é um documento informativo, obrigatoriamente traduzido e apresentado na língua oficial do país no qual o eletrodoméstico é vendido.

Onde encontrar a etiqueta energética?

Tal como o preço, a eficiência energética é um dos fatores de decisão na compra de um eletrodoméstico. Como tal, a etiqueta energética deve estar presente sempre que o produto é apresentado, seja na loja física, na loja online ou nos folhetos promocionais.

No caso de lojas físicas, cada produto exposto deve apresentar a etiqueta energética completa de modo a que seja imediatamente visível para o cliente consultar.

Face aos produtos vendidos em embalagens, a etiqueta deve ser diretamente impressa ou colada nas mesmas, como é o caso das lâmpadas, cuja indicação da classe energética deve estar junto ao preço de venda no expositor, bem como constar na etiqueta energética completa, impressa na embalagem.

Na loja online, a classe energética deve ser indicada junto da ficha de características do produto e a etiqueta deve estar disponível para consulta através de uma hiperligação que permita visualizá-la.

Porque é que é tão importante prestar atenção à etiqueta energética?

Decerto que, algumas vezes, vezes temos tendência a escolher determinado produto apenas com base no preço – quanto mais barato, melhor, pois significa que estamos a poupar. No entanto, no que diz respeito a eletrodomésticos, esta nem sempre é a melhor prática.

Normalmente, o tempo médio de vida dos equipamentos mais baratos costuma ser inferior, pelo que é provável que tenha de voltar a gastar dinheiro noutro, mais cedo do que estava a contar. Para além disso, consomem mais energia, representando um custo mais elevado ao final do mês, podendo acabar por não compensar o pouco investimento que fez.

Desta forma, é importante que analise a etiqueta energética de cada produto e compare vários consumos e preços, de forma a fazer a escolha mais adequada às suas necessidades financeiras e também energéticas.

Ler mais
Relacionadas

Sabe interpretar a sua fatura da luz? Descubra tudo neste guia

Interpretar a fatura da luz pode não ser tarefa fácil. Entre tantos dados e diferentes formatos de faturas que cada comercializador de energia aplica, a sua compreensão pode tornar-se ainda mais complicada. Porém, é importante que faça esta análise para saber ao certo qual o consumo de eletricidade que vai pagar. Neste artigo descomplicamos a leitura da fatura da luz.

Sabe o que fazer se tiver uma fuga de gás?

Numa habitação muitos imprevistos podem acontecer, entre os quais uma fuga de gás, que é considerado um dos acidentes mais perigosos, uma vez que pode ser letal. Se estiver em casa e porventura lhe começar a cheirar a gás, pode estar perante uma situação como esta. Saiba como deve proceder.

Infográfico: 7 Dicas para reduzir a conta da luz

Quantas vezes já chegou ao fim do mês com a conta da luz para pagar bem mais elevada do que estava à espera? Há pequenas mudanças que pode fazer no seu dia-a-dia para poupar eletricidade e ver esta fatura mais reduzida. Conheça sete dicas importantes.

Sabe quais são os eletrodomésticos que gastam mais energia?

Ter conhecimento de quais são os eletrodomésticos que gastam mais energia em sua casa é importante para que possa adotar estratégias adequadas para poupar na fatura da luz. Saiba tudo neste artigo.

Débitos diretos: sabia que pode impor limites e anular transações?

Se tem pagamentos ativos por débito – sejam serviços de telecomunicações, eletricidade, seguros ou água -, poderá proteger-se face a cobranças indevidas. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.
Recomendadas

Euribor sobem a três e a 12 meses e caem a seis meses

A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou para -0,433%, menos 0,005 pontos que na quarta-feira, contra o atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015, de -0,114%.

Vai comprar casa a crédito? Saiba como ler a FINE e evitar surpresas

Por muito que, após encontrada a casa dos seus sonhos, seja tentador aceitar a primeira proposta de financiamento que lhe aparecer, garantir que tem as melhores condições vai fazer-lhe poupar milhares de euros durante os largos anos em que terá este encargo.

Autoestradas registam pior trimestre de circulação e tráfego desde 2006

O valor médio de veículos registado na rede da Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens foi de 8.800 veículos diários, o que contrasta com os 16.300 verificados em 2019.
Comentários