EUA disponibilizam FBI para ajudar Angola a recuperar fundos desviados

O subsecretário de Estado americano, John Sullivan, manifestou nesta segunda-feira em Luanda, a disponibilidade do seu país em colocar o FBI à disposição do governo angolano para ajudar na localização e recuperação de dinheiro e outros ativos retirados ilegalmente do país. Fundos desviados poderão somar mais de 4.140 milhões de euros.

José Sena Goulão / EPA

O subsecretário de Estado americano, John Sullivan, manifestou nesta segunda-feira, 18 de março, em Luanda a disponibilidade do seu país em estreitar e aprofundar as “longas as relações” existentes entre os dois países, avança o site da Angola Voz da América (VOA). Segundo este site, uma das parcerias estratégicas pode passar por colocar o FBI, a polícia de investigação americana, e outras instituições à disposição do Governo angolano para ajudar na localização e recuperação de dinheiro e outros activos retirados ilegal e criminosamente do país”. Em causa estão mais de 4.140 milhões de euros.

De acordo com o site VOA, em declarações à imprensa, no fim da audiência com o Presidente da República de Angola, João Lourenço, o diplomata americano disse que o foco principal da sua visita tem a ver com “o compromisso dos Estados Unidos para as parcerias estratégicas que existem com Angola”.

John Sullivan transmitiu a João Lourenço ser desejo de Washington levar os corruptos à justiça e recuperar os activos retirados de Angola e que estejam escondidos nos Estados Unidos ou em outra parte do mundo, a exemplo do que sucedeu com a Nigéria.

O diplomata lembrou que o seu país tem “pessoal treinado, investigadores e procuradores, que podem ajudar o Governo angolano na recuperação destes activos e devolvê-los aos reais donos, o povo angolano”, avança o site VOA.

As declarações do número dois do Departamento de Estado americano, surgem depois de o Presidente da República de Angola ter avançado, no sábado, 16 de março, em Benguela, que vão ser accionados “nos próximos dias” mecanismos “para o Estado reaver o património e os activos que lhe pertencem”, considerando o relatório sobre os investimentos privados realizados com recurso a “avultados fundos públicos”, que dá conta de que o Estado foi lesado em e 4.700 milhões de dólares (4.147 milhões de euros) “no mínimo, chocante e repugnante”.

João Lourenço acrescentou ainda que três meses após o prazo de 26 de Dezembro e seis meses após a entrada em vigor da Lei de Repatriamento Coercivo de Capitais, Angola está empenhada a trabalhar nesta direcção, “com o concurso dos cidadãos que denunciam, dos competentes serviços de investigação, do Ministério Público e dos tribunais, que intervirão quando chegar o momento”.

John Sullivan termina hoje a visita a Angola, onde se encontra desde sábado, 16 de março, numa visita oficial a Angola, onde sinalizou a melhoria do clima de negócios “para criar condições para um maior envolvimento comercial dos Estados Unidos”.

Ler mais
Relacionadas

Jornalistas de Angola consideram notícias falsas “acauteláveis”

Segundo a diretora adjunta de informação da Televisão Pública de Angola, Fernanda Manuel, a questão das ‘fakenews’ é “complicada e delicada” de lidar, sobretudo quando há uma “ânsia de publicar a informação em primeira mão”.

“Situação melhorou drasticamente” em Angola, realça petrolífera ENI

“Foi muito positivo e foi por isso que fizemos tantas descobertas” nos últimos meses, a última das quais foi anunciada já este mês e pode valer até 650 milhões de barris de petróleo, disse presidente executivo da ENI.
Recomendadas

Donald Trump elogiou atuação responsável de Xi Jinping sobre protestos em Hong Kong

As manifestações, que se iniciaram há sete semanas , evoluíram da contestação à lei da extradição, que permitia o envio para a China de fugitivos ou suspeitos de crimes refugiados no território de Hong Kong, até reivindicações mais amplas sobre a melhoria dos mecanismos democráticos da cidade.

Partido do presidente de Ucrânia com vitória praticamente assegurada

Primeiro a presidência, agora o governo: o ator Volodimir Zelenski está a transformar a Ucrânia num pais totalmente novo. O novo Parlamento vai ser radicalmente diferente do que foi até aqui.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários