EUA: Pedidos de subsídio de desemprego baixam ligeiramente esta semana

A pandemia de Covid-19 continua a condicionar fortemente a prestação da economia norte-americana, que mantém os valores de pedidos semanais de subsídios de desemprego perto do 1 milhão, muito acima do registado antes da doença chegar ao país.

Estados Unidos | Getty Images

Os pedidos iniciais de subsídio de desemprego nos EUA recuaram para os 900 mil na semana terminada a 16 de janeiro, depois do máximo de vários meses registado na semana anterior, quando o indicador atingiu os 926 mil.

Os dados divulgados esta quinta-feira pelo Departamento do Trabalho norte-americano ficam ligeiramente abaixo das previsões de Wall Street, colocadas nos 925 mil, segundo a CNBC.

A economia dos EUA continua assim a sofrer com a pandemia de Covid-19, que tem levado a restrições fortes à atividade em grande parte dos estados, numa altura em que o país vai registando novos máximos. Esta semana foram ultrapassadas as 400 mil mortes relacionadas com a doença desde o primeiro caso diagnosticado em território americano.

Na semana terminada a 9 de janeiro, estavam ainda 5,054 milhões de subsídios a pagamento, uma redução relativamente aos 5,181 milhões registados na semana anterior, uma revisão em baixa dos 5,271 milhões inicialmente anunciados.

Ao esquema de assistência pandémica candidataram-se ainda cerca de 424 mil trabalhadores, um aumento substancial quando comparado com o verificado na semana anterior, quando 285 mil pessoas pediram este apoio federal. O esquema social abrange trabalhadores que não se qualificam para o subsídio ao desemprego, incluindo quem já o esgotou ou trabalhadores por conta própria.

Com a investidura de Joe Biden, a expectativa é que sejam aprovados novos apoios à economia americana, incluindo um reforço da verba paga pelo Governo federal às famílias. Esta previsão é sustentada pela nova maioria democrata no Congresso, que deverá dar luz verde ao plano do presidente de enviar mais 1.400 dólares (1.153,51 euros) a acrescer aos 600 dólares (494,28 euros) já aprovados, bem como mais apoios às pequenas e médias empresas.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários