EUA proibiram transações com as empresas donas da Tik Tok e WeChat

Além de uma ordem executiva da Casa Branca, também o senado norte-americano aprovou um projeto de lei que proíbe o download e a utilização da aplicação TikTok em telemóveis ou em outros dispositivos fornecidos pela Casa Branca aos seus funcionários ou membros do congresso.

Os Estados Unidos vão passar a proibir todas as transações entre empresas norte-americanas ou cidadãos norte-americanos com a BytDance, que detém a rede social Tik Tok, e a Tencent, empresa que controla a aplicação We Chat (idêntica ao WhatsApp). Isto, depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, ter assinado uma ordem executiva na quinta-feira.

Trump acredita que a rede social de origem chinesa representa uma ameaça à segurança nacional norte-americana, considerando por isso uma “emergência nacional” limitar a sua ação nos EUA. Para Trump, a rede social Tik Tok é utilizada para espiar os utilizadores norte-americanos. Por isso, a Casa Branca optou por limitar as operações da rede social nos EUA. A proibição decretada também será aplicada à WeChat, precisamente por suspeitas de alegada espionagem de Pequim nos EUA.

“Tal como o TikTok, o WeChat captura automaticamente grandes pedaços de informação sobre os seus utilizadores, ameaçando dar ao Partido Comunista Chinês acesso a informação pessoal sobre os norte-americanos”, lê-se no decreto, citado pela agência Lusa.

Além da ordem executiva, também o senado norte-americano aprovou um projeto de lei que proíbe o download e a utilização da aplicação TikTok em telemóveis ou em outros dispositivos fornecidos pela Casa Branca aos seus funcionários ou membros do congresso.

O projeto de lei que saiu do senado ainda terá de ser apreciado pela câmara dos representantes dos EUA, antes de Trump promulgar a decisão.

As referidas decisões da administração Trump e do senado norte-americano representam colocam mais pressão nas relações comerciais norte-americanas com a China, com a Washington a defender a necessidade de proibir ou limitar a ação de aplicações chinesas nos EUA, por questões de segurança nacional.

No início da semana, Donald Trump aceitou que a Microsoft continuasse a negociar com a ByteDance a compra da operação norte-americana da Tik Tok. Contudo, o Chefe de Estado norte-americano prometeu banir a rede social chinesa no dia 15 de setembro, o que força a Microsoft negociar sob pressão.

De acordo com a Reuters, a rede social Tik Tok tem 100 milhões de utilizadores nos EUA. Já a aplicação WeChat não é tão popular entre os norte-americanos, embora seja “omnipresente” na China.

Ler mais
Relacionadas
tik tok

TikTok investe 420 milhões para abrir primeiro centro de dados europeu na Irlanda

“Este centro de dados simboliza o nosso compromisso a longo prazo com a Irlanda e esperamos que este esteja operacional no início de 2022”, sustentou o diretor de segurança da aplicação.

Facebook lança versão do Tik Tok através do Instagram

O Reels é a aplicação que a empresa de Mark Zuckerberg criou para fazer frente ao rival Tik Tok. O lançamento acontece dias depois sa Microsoft anunciar as negociações para adquirir as operações nos EUA da aplicação de video da ByteDance na China.

Trump vs redes sociais: da proibição do Tik Tok às polémicas com o Twitter

Presidente norte-americano acumula escândalos em várias plataformas de social media, sobretudo no Twitter, o seu veículo predileto de comunicação. O alvo principal é, agora, o TikTok.
Recomendadas

Lucros do Bankinter afundam 50% para 220 milhões

Bankinter justifica recuo nos lucros com a realização de provisões devido à pandemia. Já o Bankinter Portugal viu os resultados antes de impostos recuarem 36% para 33 milhões de euros.

NOS e Vodafone fecham acordo para partilhar infraestruturas da rede móvel em todo o país

As duas operadoras de telecomunicações fecharam um conjunto de acordos de partilha de ativos e desenvolvimento de redes móveis, a nível nacional. Os acordos incidem sobre atuais e futuros ativos para as redes móveis 2G, 3G e 4G. Quanto ao 5G, a partilha estará dependente de novo acordo.

Conselho Geral do Novo Banco aprova hoje redução da administração executiva e continuidade de Ramalho

É hoje que é decidida a renovação do mandato para António Ramalho que se mantém presidente executivo do Novo Banco no próximo mandato de 2021-2024. O Conselho Geral de Supervisão vai reduzir o Conselho de Administração Executivo para seis membros e aprovar o novo plano de negócios.
Comentários