EUA querem extradição de Julian Assange por razões “puramente políticas”, acusam advogados

Equiparado a Katharine Gun, whistleblower da guerra do Iraque, e a Alfred Dreyfus, oficial do exército francês no século XIX, Julian Assange está a enfrentar uma acusação de conspiração por invadir um computador e 17 acusações sob a Lei da Espionagem.

Caso seja extraditado para os EUA, Julian Assange, fundador do Wikileaks, corre o risco de ser extraditado por razões “puramente políticas”, temem os advogados de Assange, realça o “The Guardian”

O pedido para que o julgamento aconteça nos EUA foi apresentado no terceiro dia de audiências, mas foi rapidamente afastado por ofensas políticas que constavam no tratado assinado entre os EUA e o Reino Unido.

Equiparado a Katharine Gun, whistleblower da guerra do Iraque, e a Alfred Dreyfus, oficial do exército francês no século XIX, Julian Assange está a enfrentar uma acusação de conspiração por invadir um computador e 17 acusações sob a Lei da Espionagem.

A acusação do fundador da WikiLeaks assume que o caso de Assange está abrangido pela Lei da Extradição de 2003, sendo que esta mesma lei não abre exceção relativamente a ofensas públicas. Assim, o advogado de Assange sustentou que como não se trata de um caso terrorista nem de um caso violento, “o princípio de que não se deve ser extraditado por um crime político é de aplicação praticamente universal”, apontando que tem sido assim “há mais de 100 anos”.

O advogado de Assange apontou ainda o dedo aos EUA, uma vez que o governo escreve o acordo de extradição em todos os tratados “porque não querem que os seus cidadãos sejam extraditados por razões políticas”.

Relacionadas

Centenas manifestam-se em Londres contra extradição de Julian Assange

“Boris Johnson, tem vergonha”, cantaram os manifestantes ao passarem por Downing Street, a residência do primeiro-ministro britânico.

Assange arrisca pena de prisão até 175 anos se for extraditado para Estados Unidos

O fundador da Wikipedia começa a ser julgado na segunda-feira em Londres.

Rui Pinto tentou dar provas à justiça portuguesa, mas foi ignorado, afirma advogado

William Bourdon garante ter na sua posse provas de que o seu cliente, Rui Pinto, propôs entregar informação às autoridades portuguesas.

Justiça sueca encerra investigação por violação contra Julian Assange

As autoridades suecas anunciaram hoje que decidiram encerrar as investigações a um alegado caso de violação de que era acusado o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que está preso no Reino Unido.

Reino Unido assinou papéis de extradição de Julian Assange

A acusação inicial a Assange desencadeou um debate sobre a Primeira Emenda e a suposta proteção por obter material secreto enquanto em atividade jornalística.

Julian Assange acusado de 17 crimes nos Estados Unidos

Julian Assange encontra-se atualmente preso no Reino Unido depois de ter sido retirado da embaixada do Equador onde estava exilado.
Recomendadas

Lesados do Banif vão exigir indemnização de 250 milhões à TVI

Associação de lesados aguarda desfecho do julgamento da TVI para avançar com ação cível contra a estação com pedido de indemnização milionária.

Ordem dos Advogados: Conselho Regional de Lisboa pede isenção de três meses no pagamento das quotas

O conselho que reúne mais de metade dos 32 mil advogados inscritos na Ordem pede auxílio financeiro para mitigar os efeitos que o novo coronavírus traz ao rendimento mensal de muitos destes profissionais.

Estado de emergência: Presidente do STJ apela a “respeito cívico” para “evitar que seja alargado”

Presidente do Supremo Tribunal diz que medida decretada pelo Chefe de Estado “é necessária” para atribuir ao Governo “poderes excecionais para limitar direitos e liberdades e impor comportamentos à sociedade” para conter a propagação do Covid-19. António Piçarra apela ao “respeito cívico” pelo estado de emergência para evitar que “seja alargado além do estritamente necessário” e assegura que Estado de Direito e a ordem constitucional “não estão suspensos”.
Comentários