EUA. Republicanos do Senado poderão rejeitar pacote de 1,9 biliões de Joe Biden

Os republicanos acreditam que o plano do presidente norte-americano para recuperação da crise provocada pela pandemia inclui medidas que nada têm a ver com alívio à Covid-19. A vice-presidente, Kamala Harris, poderá ter de desempatar a votação do projeto de lei.

Patrick Semansky/AP

A Câmara dos Representantes aprovou por pouco o projeto de lei que visa combater a pandemia e impulsionar a maior economia do mundo, de 1,9 biliões de euros. A ação agora segue para o Senado, onde os democratas não esperam muita ou nenhuma ajuda dos republicanos, segundo a “Reuters”.

No fim de semana, os principais democratas abandonaram a intenção de usar a política tributária dos EUA como um incentivo para que as empresas aumentassem o salário mínimo para 15 dólares por hora (12,45 euros), de acordo com uma fonte familiarizada com as negociações. A proposta complicaria a aprovação no Senado.

A vice-presidente norte-americana, a democrata Kamala Harris, poderá ter de desempatar a votação do projeto de lei, sendo que no Senado os republicanos controlam 50 cadeiras e os democratas e os seus aliados controlam as outras 50. Até mesmo esse resultado depende de todos os democratas permanecerem unidos por trás do primeiro grande projeto de lei a ser aprovado do executivo de Biden.

“Estamos a avançar com um projeto de lei que provavelmente não obterá votos republicanos no Senado, mas terá amplo apoio republicano no país”, disse o senador Chris Coons, um democrata, no “Estado da União” da CNN, no domingo.

Os republicanos no Congresso dizem que o plano é muito caro e inclui medidas que nada têm a ver com alívio Covid-19. “São 1,9 biliões, mais da metade nem será gasto neste ano. Então, como poderiam as medidas serem sobre o alívio da Covid-19? Ninguém espera que daqui a um ano estar em crise como estamos agora ”, disse o senador republicano Rob Portman ao programa“ This Week ”da ABC.

O projeto de lei de ajuda ao efeitos da Covid-19, aprovado pela Câmara, aumentaria o salário mínimo nacional pela primeira vez nos EUA desde 2009.

Ler mais
Relacionadas

Câmara dos Representantes dos EUA aprova novo pacote de estímulos de 1,9 biliões de dólares

A Câmara dos Representantes, dos EUA, aprovou durante a madrugada um novo pacote de estímulos para enfrentar a crise económica provocada pela covid-19, no montante de 1,9 biliões de dólares (cerca de 1,6 biliões de euros).

Biden insta Senado a aprovar plano de estímulo nos EUA apesar de revés com salário mínimo

O plano para relançar a economia após a crise provocada pela pandemia nos Estados Unidos incluía provisões orçamentais para acomodar o aumento do salário mínimo para 15 dólares (cerca de 12 euros) por hora até 2025, mas a decisão da câmara alta do Congresso implica que a medida não vai ser discutida.
Recomendadas

Itália: Draghi apresenta Plano de Recuperação esta sexta-feira

O plano conta com uma dotação de mais de 220 mil milhões de euros. O plano definitivo só será apresentado a 30 de abril e o governo quer resolver o problema de quem gere o quê. A questão determinou o fim do anterior governo liderado por Giuseppe Conte.

Joe Biden prepara novos impostos sobre o capital

O também chamado imposto sobre os ricos pode colocar sérios riscos sobre os investimentos dos norte-americanos. Mal se soube do caso, não confirmado, Wall Street entrou em stress.

Israel: Netanyahu tenta apoios para a eleição direta do primeiro-ministro

O ainda primeiro-ministro não desiste de ‘inventar’ cenários para se manter no poder. Desta vez, está a tentar encontrar apoio para a eleição direta do primeiro-ministro.
Comentários