Republicanos no Congresso protegem Trump nos ataques ao Capitólio

Talvez pela primeira vez na história do partido, um ex-presidente continua a ser tratado como se fosse o líder da oposição. Entretanto, o partido está a reescrever a história: a culpa deve ser endossada a… Nancy Pelosi!

Não é costume, tanto entre os republicanos como entre os democratas, que alguém fora do Congresso seja tratado como o líder dos dois maiores partidos dos Estados Unidos: tradicionalmente, o papel de condução dos partidos está entregue ao Presidente, se for caso disso, ou ao líder do Senado, em conjunto com o líder da Câmara dos Representantes, se for caso de o partido estar na oposição. Desde que o ex-presidente Donald Trump deixou a Casa Branca que tudo isso mudou radicalmente: o Partido Republicano tem desde então tratado Donald Trump como se ele fosse – e acaba por ser – o líder da oposição ao governo do democrata Joe Biden.

Mais uma vez, isso está a acontecer: o topo dos republicanos no Congresso está a liderar uma campanha que tentar reescrever o ataque ao Capitólio, absolvendo Donald Trump de qualquer responsabilidade e culpando a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, pela insurreição de 6 de janeiro perpetrada por uma multidão de apoiantes de Trump.

Alguns líderes republicanos da Câmara e do Senado afirmaram nos momentos imediatamente após o ataque que Trump era diretamente culpado e alguns até consideraram o seu impeachment, ao mesmo tempo que os republicanos no Senado não acompanhavam as ordens da Casa Branca de impedir a nomeação de Biden. “O presidente é responsável”, disse na altura o líder republicano da Câmara, Kevin McCarthy, exigindo que ele “aceitasse sua parcela de responsabilidade”.

Mas tudo isso mudou: quase 200 republicanos da Câmara votaram para impedir que Trump sucumbisse a um segundo impeachment e os republicanos do Senado não viabilizaram uma comissão que deveria investigar os acontecimentos de 6 de janeiro.

A jornada dos republicanos para um universo alternativo e revisionista voltou agora a funcionar, após a liderança republicana da Câmara, dias após o testemunho angustiante de policiais destacados para enfrentar os manifestantes ter chocado o Congresso. A republicana da Câmara Elise Stefanik, número três na hierarquia, culpou Pelosi pela violência em 6 de janeiro. “O povo americano merece saber a verdade: que Nancy Pelosi é responsável, como presidente da Câmara, pela tragédia que ocorreu em 6 de janeiro”, disse, citada pela comunicação social.

Pelosi não é responsável pela segurança – um dever que recai sobre a polícia do Capitólio – mas a alegação de Stefanik é mais um passo na campanha de desinformação da liderança do partido. Para os analistas, o motivo é evidente: os republicanos querem uma boa votação nas eleições de meio de mandato, em 2022. E, pelos vistos, vale tudo.

Recomendadas

PremiumAnne Hidalgo: mais uma espanhola interessada no trono de França

Não é a primeira espanhola de nascimento que tenta chegar longe na chauvinista política caseira gaulesa – o ex-primeiro-ministro Manuel Vals, um catalão, faz disso prova viva sem ter de se ir aos compêndios de História Medieval – mas a atual ‘maire’ de Paris propõe-se não só chegar à Presidência da República francesa, como, antes disso, produzir o verdadeiro milagre de fazer renascer o Partido Socialista francês das cinzas onde o ex-Presidente François Hollande o deixou vai para quatro anos.

Reino Unido elimina lista ‘amber’ onde estava inserido Portugal e já não vai pedir testes negativos aos vacinados

O anúncio surge na sequência de uma revisão das regras em vigor em território britânico e após o secretário dos Transportes, Grant Shapps, ter dito que oito países seriam retirados da lista vermelha. Assim, Portugal passa a estar na lista ‘verde’.

PremiumGuerra com juízes do Supremo sai cara a Jair Bolsonaro

Mesmo depois de se ter desculpado, o presidente brasileiro estáa perder hipóteses de voltar a ser eleito para novo mandato. E prestes a entrar numa nova fase de tensão com o Supremo Tribunal Federal, desta vez por causa da internet e da venda de armas.
Comentários