Euro chega aos 20 anos já com muitas histórias e outras tantas para contar

Percurso da moeda única que entrou em vigor de 1999 tem sido permeável à conjuntura política e económica, como recorda a ‘fintech’ Ebury.

Foi a meio de uma viagem de 20 anos que a moeda única registou o seu máximo histórico nos mercados. Estávamos em julho de 2008 e o euro registou um câmbio de 1,60 dólares, impulsionado pelo bom momento económico que a zona euro atravessava e beneficiando do pânico que assombrou o mercado norte-americano com a crise do subprime.

No entanto, não demorou muito para que a crise norte-americana se alastrasse à zona euro. O momento foi recordado pela fintech Ebury numa análise sobre os 20 anos do euro, que concluiu que os “altos e baixos [do euro] são praticamente um espelho dos acontecimentos políticos e económicos desde então, à escala europeia e mundial”.

“Viviam-se os anos da crise da dívida em Portugal, na Grécia e na Irlanda, mas também – noutro nível – em Espanha e Itália. O que forçou uma intervenção por parte do BCE, que instaurou todo um arsenal de política monetária para devolver a confiança no euro e lançar as bases para a sua recuperação”, recordou a Ebury.

Reconhecido em janeiro de 1999, o euro tinha um valor equivalente a 1,17 dólares. Mas ao longo dos anos o caminho não foi linear e a moeda única caiu várias vezes abaixo deste valor até 2002. Foi perante este cenário que o Banco Central Europeu (BCE) se viu forçado a intervir, recordou a Ebury.

“Contudo, o ataque terrorista às Torres Gémeas, em Nova Iorque, a 11 de setembro de 2001, converteria o euro em refúgio de investimentos e marcaria o início de uma etapa de valorização da moeda única”, assinala a fintech.

A partir de 2015, a divergência entre os bancos centrais norte-americano e europeu teve reflexos para o valor da moeda única.

“Enquanto a Reserva Federal norte-americana (FED) revelou intenção de aumentar as taxas de juro em resposta ao crescimento da economia nos Estados Unidos, o BCE manteve as suas taxas de juro baixas e lançou um programa de expansão quantitativa para impulsionar a retoma económica na Europa. Ambos os fatores mantiveram a relação EUR/USD relativamente baixa, quando comparada com o nível alcançado em 2014″, refere a Ebury.

Duarte Líbano Monteiro, diretor-geral da Ebury para Portugal e Espanha, salienta em comunicado que  “o que ninguém pode colocar em causa é que o euro, apesar das fortes subidas e descidas que sofreu nos seus primeiros 20 anos, se converteu na segunda moeda mais utilizada do mundo”.

“Cerca de 36% das transações internacionais realizam-se com recurso à moeda única, face a 40% feitas em dólares, o que significa que a zona euro constitui 12% da economia mundial, seguindo de muito perto a economia norte-americana”, destaca.

A Ebury explica que no arranque do ano em que comemora 20 anos, o euro é negociado por 1,13-1,14 face ao dólar. A perspetiva da fintech é que o valor se mantenha estável durante este ano, com uma ligeira tendência para valorizar.

Ler mais
Recomendadas

João Sousa Gião reeleito Presidente do Comité Permanente de Convergência de Supervisão da ESMA

“A reeleição de João Sousa Gião consolida a presença internacional da CMVM, em linha com as metas traçadas pelo seu Conselho de Administração, que se focam na otimização do desempenho da organização também através da participação ativa em debates e decisões nos fora internacionais com impacto no enquadramento interno e externo e na promoção de uma maior visibilidade ao mercado nacional”, diz a CMVM.

PSI 20 fecha no ‘verde’ mas longe das congéneres europeias

Apesar de ter encerrado a segunda sessão da semana em território positivo, o PSI 20 ficou aquém do desempenho registado nas congéneres europeias.

Tesla e novos serviços da Apple dão energia a Wall Street

Depois de uma sexta-feira negra e de encerrar sem tendência esta segunda-feira, Wall Street voltou aos ganhos, impulsionada pela tecnologia. A Apple e a Tesla estão a registar um desempenho positivo.
Comentários