Europa vai sofrer ondas de calor cada vez mais extremas

Estudo da Agência Ambiental da União Europeia (EEA) prevê que que a Europa venha a sofrer ondas de calor cada vez mais extremas todos os anos.

Depois das ondas de calor que assolaram a Europa este verão, os cientistas estimam que o calor pode vir a ficar cada vez mais extremo com o passar dos anos. Também algumas colheitas futuras podem ser afetadas pelo extremo calor, a não ser que todos os países tomem medidas urgentes contra as alterações climáticas, indica o estudo realizado por cientistas, noticiado pela ‘Reuters’.

O estudo da Agência Ambiental da União Europeia (EEA) prevê que a Europa venha a sofrer ondas de calor extremas todos os anos, à semelhança do que aconteceu este ano em França e Espanha, onde cidadãos e turistas se refrescavam nas fontes dos países.

A agência europeia também projetou a redução da produção agrícola para metade, em todo o sul da Europa, durante as próximas décadas. O quadro que a EEA projetou mostra uma ecossistema europeu bastante frágil, que continua a ser atacado em todas as vertentes.

O estudo indica ainda que, apenas dois quintos da água doce presente na Europa vão ser ‘poupados’ ao stress causado pela poluição e exploração excessiva. O mesmo vai acontecer com a biodiversidade animal, sendo que 39% das borboletas e 9% das aves comuns já desapareceram do ecossistema desde 1990, algo que a EEA apelidou como “um grande declínio na biodiversidade”.

A agência revelou ainda que analisou um total de 35 indicadores e que apenas seis destes têm previsões de melhoria em 2020. “Precisamos de procurar soluções fundamentais”, revelou Hans Bruyninckx, diretor executivo da EEA à Reuters. “Precisamos de dobrar a tendência na próxima década”, assumiu, adiantando que se trata de “uma década crítica”.

O relatório foi apresentado depois da nova presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tomar posse. A nova presidente comprometeu-se em tornar a Europa no primeiro continente neutro em carbono até 2050, reduzindo ainda a perda de biodiversidade e destinou um trilião de euros para salvar a Europa das alterações climáticas.

Ler mais
Recomendadas

Economia mundial será afetada em 436 mil milhões de euros pelas alterações climáticas

Segundo um estudo do World Wildlife Fund, as alterações climáticas vão penalizar em 436 mil milhões de euros a economia mundial até 2050. As economias dos Estados Unidos, do Reino Unido e do Japão serão as mais afetadas.

EDP Renováveis vende projeto eólico no Brasil por 127,3 milhões de euros

Este parque eólico, que agora será da Actis, denominado de Babilónia, localiza-se no estado brasileiro de Bahia e encontra-se em operação desde o quatro trimestre de 2018. Este mesmo projeto era detido a 100% pela EDP que, em 2015, assegurou em leilão um contrato de aquisição de energia, cuja duração era de 20 anos.

Governo tem 6 milhões de euros para novos projetos de descarbonização

A taxa máxima de financiamento de cada projeto selecionado de 50%, o montante mínimo de financiamento por projeto é de 200 mil euros e o máximo de um milhão de euros. “Os projetos selecionados contribuirão para aumentar a resiliência às alterações climáticas, através de medidas locais de adaptação e mitigação e soluções tecnológicas de baixo carbono em cidades”, refere o Ministério do Ambiente e da Ação Climática.
Comentários