Europa vai sofrer ondas de calor cada vez mais extremas

Estudo da Agência Ambiental da União Europeia (EEA) prevê que que a Europa venha a sofrer ondas de calor cada vez mais extremas todos os anos.

Depois das ondas de calor que assolaram a Europa este verão, os cientistas estimam que o calor pode vir a ficar cada vez mais extremo com o passar dos anos. Também algumas colheitas futuras podem ser afetadas pelo extremo calor, a não ser que todos os países tomem medidas urgentes contra as alterações climáticas, indica o estudo realizado por cientistas, noticiado pela ‘Reuters’.

O estudo da Agência Ambiental da União Europeia (EEA) prevê que a Europa venha a sofrer ondas de calor extremas todos os anos, à semelhança do que aconteceu este ano em França e Espanha, onde cidadãos e turistas se refrescavam nas fontes dos países.

A agência europeia também projetou a redução da produção agrícola para metade, em todo o sul da Europa, durante as próximas décadas. O quadro que a EEA projetou mostra uma ecossistema europeu bastante frágil, que continua a ser atacado em todas as vertentes.

O estudo indica ainda que, apenas dois quintos da água doce presente na Europa vão ser ‘poupados’ ao stress causado pela poluição e exploração excessiva. O mesmo vai acontecer com a biodiversidade animal, sendo que 39% das borboletas e 9% das aves comuns já desapareceram do ecossistema desde 1990, algo que a EEA apelidou como “um grande declínio na biodiversidade”.

A agência revelou ainda que analisou um total de 35 indicadores e que apenas seis destes têm previsões de melhoria em 2020. “Precisamos de procurar soluções fundamentais”, revelou Hans Bruyninckx, diretor executivo da EEA à Reuters. “Precisamos de dobrar a tendência na próxima década”, assumiu, adiantando que se trata de “uma década crítica”.

O relatório foi apresentado depois da nova presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tomar posse. A nova presidente comprometeu-se em tornar a Europa no primeiro continente neutro em carbono até 2050, reduzindo ainda a perda de biodiversidade e destinou um trilião de euros para salvar a Europa das alterações climáticas.

Ler mais
Recomendadas

Municipalização da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto poderá iniciar-se a 1 de janeiro

“O Estado assumiu toda a dívida financeira da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, S.A. e transferiu já as verbas do défice operacional deste ano, resultante da pandemia, estimado em 15,8 mil euros”, aponta o ministério do Ambiente e da Ação Climática em comunicado.

‘Greenchain’, um GPS energético sustentável

Esta é, sem dúvida, a grande mensagem a passar. O rastreio energético é um serviço cada vez mais difundido, associado ao crescimento do mercado de contratação corporativa de energia sustentável.

CMVM cria área dedicada às Finanças Sustentáveis

“Perante o número de iniciativas nacionais e internacionais e a rápida evolução que se está a verificar no enquadramento legal e regulatório nacional e europeu, a disponibilização estruturada e tempestiva de informação pela CMVM visa contribuir para a defesa dos investidores e o desenvolvimento do mercado nacional”, diz o regulador dos mercados.
Comentários