Europeias: PAN quer eleger um eurodeputado para continuar “transformação social”

Francisco Guerreiro, membro da Comissão Política Nacional, é o cabeça-de-lista, tendo como prioridades o combate às alterações climáticas e o desenvolvimento económico e social responsável.

Cristina Bernardo

O PAN (partido Pessoas-Animais-Natureza) vai concorrer as eleições europeias com uma lista de “paridade absoluta” em termos de género e com diversidade na distribuição geográfica. Francisco Guerreiro, membro da Comissão Política Nacional, é o cabeça-de-lista, tendo como prioridades o combate às alterações climáticas e o desenvolvimento económico e social responsável.

A deputada do PAN na Assembleia Municipal do Porto Bebiana Cunha é a número dois na lista apresentada pelo partido às europeias, que acontecem a 26 de maio. Segue-se o assessor político Pedro Neves, que foi o cabeça-de-lista do partido nas últimas eleições autárquicas nos Açores. Cristina Ferreira, de Setúbal, e João Freitas, da ilha da Madeira, completam os cinco primeiros lugares.

Ao todo, a lista é composta por 21 candidatos, 11 mulheres e 10 homens, sendo intercalada entre candidatos do sexo masculino e candidatas do sexo feminino, que vêm de diferentes zonas do país e das regiões autónomas. Francisco Guerreiro acredita que “é possível dar continuidade, no Parlamento Europeu, ao trabalho de transformação social que o PAN, com apenas um deputado, tem alcançado na sociedade portuguesa”.

Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu, em 2014, o PAN conseguiu 1,72% (56.233 votos), não tendo, no entanto, conseguido eleger nenhum eurodeputado. O objetivo para este ano é eleger, pelo menos, um eurodeputado, assegurando que haja “uma representação ambientalista portuguesa no Parlamento Europeu” que seria integrado na família política europeia ambientalista, Greens/EFA.

Francisco Guerreiro assume como principais bandeiras a “necessidade de uma aposta na educação e no reforço da cidadania mais profunda e da criação de ferramentas mais diretas de representação democrática, sem as quais os discursos simplistas e populistas são absorvidos pelas populações, com consequências reais muito prejudiciais”.

O PAN tem ainda como prioridades “o apoio humanitário, o desenvolvimento económico e social responsável, o combate às alterações climáticas e a promoção de uma transição energética para fontes 100% limpas e renováveis”.

1- Francisco Guerreiro (Lisboa)

2- Bebiana Cunha (Porto)

3- Pedro Neves (Açores)

4- Cristina Rodrigues (Setúbal)

5- João Freitas (Madeira)

6- Inês Real (Lisboa)

7- Rui Prudêncio (Lisboa)

8- Daniela Duarte (Faro)

9- André Nunes (Setúbal)

10- Inês Campos (Lisboa)

11- Jorge Ribeiro (Porto)

12- Carolina Almeida (Viseu)

13- Daniela de Sousa (Leiria)

14- Rui Alvarenga (Aveiro)

15- Patrícia Gomes (Braga)

16- Helder Capelo (Lisboa)

17- Sónia Domingos (Açores)

18- Vera Belchior (Faro)

19- Artur Alfama (Setúbal)

20- Sara Fernandes (Braga)

21- José Castro (Porto)

Ler mais
Recomendadas

Venezuela: 12 das 24 regiões do país estão novamente às escuras

No início do mês, um apagão deixou o país sem energia durante uma semana.

Outdoor da Iniciativa Liberal devolvido ao IC19 “com três dias de atraso”

Empresa pública voltou atrás na decisão de retirar propaganda política colocada junto à saída para o Palácio de Queluz após intervenção da Comissão Nacional de Eleições. Iniciativa Liberal garante que irá recorrer aos tribunais.

Bloco de Esquerda avança com projeto de regulação das relações laborais na advocacia

Projeto de lei entregue hoje na Assembleia da República visa garantir que “as relações laborais no âmbito da advocacia são desenvolvidas dentro da legalidade, através de um contrato de trabalho reduzido a escrito, aplicando-se o Código do Trabalho ao início, ao conteúdo e à cessação dessas relações laborais”.
Comentários