Eurostat confirma taxa de inflação de setembro em máximos de 13 anos

A pressão inflacionária mantém-se na Europa, com a leitura para a inflação de setembro a revelar máximos que não se verificavam há 13 anos. Energia continua a ser a principal responsável pelo aumento de preços.

O Eurostat confirma a taxa de inflação homóloga nos 3,4% em setembro para a zona euro, valor que constitui um máximo de 13 anos neste indicador. Considerando o total da União Europeia (UE), os dados divulgados esta quarta-feira mostram que os preços cresceram, em média, 3,6% neste período.

Em agosto, este indicador tinha chegado aos 3,0% para o bloco da moeda única e a 3,2% para a UE.

Portugal destaca-se como uma das economias com menor pressão inflacionária no último ano no bloco europeu, com o Eurostat a apontar um crescimento de 1,3% no índice de preços no consumidor de setembro, isto quando comparado com igual período do ano passado. Tal valor coloca Portugal como o segundo país com menos inflação nesta leitura, com apenas Malta a registar um número mais baixo, com 0,7%.

Por outro lado, Estónia e e Lituânia registam os valores mais elevados, com 6,4%. Segue-se a Polónia, com 5,6%. A nota estatística desta quarta-feira refere ainda que apenas uma economias da UE registou uma inflação abaixo da registada em agosto, tendo-se mantido inalterada noutro país, enquanto os restantes verificaram aumentos.

A energia continua a ser a maior responsável pelo aumento de preços, tendo contribuído para 1,63 pontos percentuais do resultado final de setembro. Ignorando a volatilidade desta rubrica e dos bens alimentares, álcool e tabaco, a taxa de variação do IPC da zona euro foi de 1,9% em setembro, isto numa comparação homóloga.

Recomendadas

Alguns hotéis da Serra da Estrela com lotação esgotada para a passagem de ano

Um dos primeiros hotéis a esgotar foi o H2otel, em Unhais da Serra, Covilhã, que tem 90 quartos e cujo programa especial de fim de ano abrange três noites, com um preço médio de 980 euros.

Covid-19: Irlanda encerra discotecas e anuncia novas restrições para fazer face à variante Ómicrom

O Governo irlandês anunciou esta sexta-feira novas restrições para conter a disseminação da nova variante Ómicron da covid-19, que incluem o encerramento de discotecas ou o distanciamento social em alguns locais.

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.
Comentários