PremiumEutanásia: Marcelo pondera veto e envio para Constitucional

Despenalização da eutanásia aprovada esta quinta-feira na Assembleia da República deverá ser chumbada pelo Presidente. Ideia é “ganhar tempo” e esgotar possibilidades.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai optar pelo veto político quando o diploma que prevê a despenalização da eutanásia chegar ao Palácio de Belém. Ao que o Jornal Económico (JE) apurou junto de fontes próximas do chefe do Estado, o veto presidencial vai servir para “ganhar tempo” e esgotar todas as possibilidades legais que Marcelo Rebelo de Sousa tem. Ou seja, se o veto não servir para demover a iniciativa do Parlamento, o Presidente deverá ainda pedir a fiscalização sucessiva do diploma pelo Tribunal Constitucional (TC), após a sua promulgação.

É o cenário que menos compromete Marcelo Rebelo de Sousa enquanto católico praticante e que terá menos impacto junto do eleitorado de centro e centro-direita de que vai precisar nas eleições presidenciais de 2021. O chefe do Estado, que admitiu estar a ponderar entre o veto ou remeter a lei para o TC, deve optar pela primeira solução, sem excluir a segunda. A ideia, segundo fontes próximas da presidência, será vetar, no prazo máximo de 20 dias, o diploma e devolvê-lo ao Parlamento.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas
eutanásia_parlamento_aprovada

Assembleia da República aprova despenalização da eutanásia

O Parlamento deu ‘luz verde’ aos cinco projetos de lei apresentados pelo PS, BE, PAN, PEV e Iniciativa Liberal, que descem agora à comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos Liberdades e Garantias, para que os partidos cheguem a um “texto comum”. A votação foi feita esta quinta-feira por voto individual. Dos 230 deputados, estiveram ausentes oito deputados: seis do PSD e dois do PS.

Quem disse o quê: as frases que marcam o debate sobre a eutanásia

O Parlamento está a discutir esta quinta-feira a despenalização da eutanásia. Na abertura do debate, cinco deputados de cada um dos partidos que apresentaram uma proposta nesse sentido defenderam a sua posição.

Sondagem: 80% dos inquiridos a favor de referendo sobre eutanásia

Dos inquiridos que defendem um referendo, 67,8% votariam a favor da despenalização da eutanásia. No entanto, 61,1% defende que a eutanásia só deve ser administrada por médicos. Já 73,9% dos inquridos considera que os pacientes devem ser submetidos a avaliação psicológica.
Recomendadas

Premium“Costa Silva tem a visão de um futuro mais longínquo”

“Podemos fazer projetos experimentais. Mas não são projetos que alteram significativamente o nosso perfil industrial. Nós precisamos de mais indústria”, diz o gestor Luís Todo Bom, em entrevista ao JE.

PremiumLuís Todo-Bom: “Investimento estrangeiro não tem feito alterações significativas”

O investimento estrangeiro que tem entrado em Portugal recentemente não tem feito nenhuma alteração significativa na nossa estrutura produtiva. Nenhuma, diz o gestor, membro do Conselho Consultivo do PSD.

PremiumBCG: “Sucesso de uma empresa mede-se pelo retorno que traz à sociedade”

Miguel Abecasis, ‘managing director’ e ‘senior partner’ da BCG em Lisboa, acredita que a pandemia acelerou a mudança que já antes estava em curso na forma como se avalia o sucesso das empresas.
Comentários