Ex-bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde detido por negócio de terreno

No âmbito da investigação foram realizadas várias diligências, tendo o Ministério Público cabo-verdiano promovido a emissão de mandados de busca a vários locais, na cidade da Praia, entre os quais a dois escritórios.

A Procuradoria-Geral da República de Cabo Verde revelou que a detenção do ex-bastonário da Ordem dos Advogados Arnaldo Silva está relacionada com alegados crimes na aquisição e venda de terrenos na Praia, processo com mais seis suspeitos.

Em comunicado, a Procuradoria refere que decorre uma investigação a “indícios de ilícitos criminais relacionados com a aquisição e venda de terrenos na cidade da Praia”, os quais são “suscetíveis de integrarem os crimes de burla qualificada, falsificação de documentos, organização criminosa e lavagem de capitais”.

No âmbito da investigação, que contou com o apoio da Polícia Judiciária, foram realizadas várias diligências, tendo o Ministério Público cabo-verdiano promovido a emissão de mandados de busca a vários locais, na cidade da Praia, entre os quais a “dois escritórios de um advogado identificado, autorizadas e presididas pelo juiz, em observância de todos os pressupostos legais”.

“Para além do detido, as diligências de instrução até agora realizadas permitiram a identificação de mais seis suspeitos, todos pessoas singulares”, esclarece a Procuradoria-Geral da República de Cabo Verde, sublinhando que o processo continua em instrução e em segredo de justiça.

O advogado detido quarta-feira na cidade da Praia pela Polícia Judiciária, suspeito da prática de crimes de burla, corrupção e organização criminosa, é o antigo bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde, Arnaldo Silva.

A informação foi confirmada à Lusa por uma fonte do escritório do Arnaldo Silva e Associados, na cidade da Praia, que explicou que após as buscas realizadas na quarta-feira, as instalações estavam hoje a funcionar normalmente, embora sem a presença do advogado.

Arnaldo Pina Pereira Silva foi bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo Verde durante dois mandatos de três anos, entre 2006 e 2012, tendo antes desempenhado cargos governativos no país.

A Polícia Judiciária de Cabo Verde anunciou esta quinta-feira a detenção, na cidade da Praia, de um advogado, suspeito da prática de crimes de burla, corrupção e organização criminosa, entre outros.

Em comunicado, sem identificar o detido, aquela força policial referiu que a operação que levou à detenção foi realizada na quarta-feira por elementos da Secção Central de Investigação de Corrupção e Criminalidade Económica e Financeira, em cumprimento de um mandado de busca e detenção emitido pelo Ministério Público da Comarca da Praia.

A operação envolveu buscas aos escritórios e residência do advogado em causa, na Praia, as quais foram lideradas por um juiz e acompanhadas por dois magistrados do Ministério Público e pela bastonária da Ordem dos Advogados de Cabo Verde, acrescentou a Polícia Judiciária.

A detenção do advogado, que foi ontem presente a tribunal para primeiro interrogatório judicial, aconteceu “fora de flagrante delito”, sendo suspeito de crimes de burla qualificada, falsificação de documentos, organização criminosa, corrupção ativa, falsidade informática e lavagem de capitais. Não são conhecidas ainda as medidas de coação aplicadas pelo tribunal ao advogado.

Ler mais
Recomendadas

União Europeia desafia Cabo Verde a incluir dimensão de género nos compromissos futuros

A embaixadora da União Europeia em Cabo Verde lembrou que o programa OGP tem um financiamento de oito milhões de euros e é “uma iniciativa importante na cooperação bilateral” entre o bloco europeu e o país africano.

Portugal e Cabo Verde querem combate ao racismo “todos os dias” com serenidade e inteligência

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu um combate “pela positiva” a manifestações racistas e discriminatórias.

Cabo Verde lidera entre centena de deportados dos PALOP pelos Estados Unidos

O número de cabo-verdianos deportados, por vários motivos, mas sobretudo imigração ilegal, desceu no ano passado para 50, face aos 68 de 2018.
Comentários