Ex-funcionário do Deutsche Bank acusado de manipulação no caso Euribor

Andreas Hauschild está a ser acusado pelo secretária de Fraudes Graves do Reino Unido, numa investigação sobre a manipulação do benchmark da taxa de juros Euribor.

A secretaria de Fraudes Graves do Reino Unido acusou Andreas Hauschild, um ex-funcionário do Deutsche Bank AG, de conspiração como parte de uma investigação sobre a manipulação do benchmark da taxa de juros Euribor, segundo revela a agência “Bloomberg” este domingo, 21 de outubro.

Andreas Hauschild compareceu no Tribunal de Magistrados de Westminster, em Inglaterra no sábado, de acordo com um comunicado de imprensa divulgado este domingo. Depois de ter sido preso em Itália no passado mês de agosto, foi então extraditado para o Reino Unido.

Em 2015, o ex-funcionário já tinha sido acusado no Reino Unido por outros 10 negociadores de uma conspiração por fraude na Euribor, uma referência que subjaz trilhões de dólares em transações financeiras. Andreas Hauschild evitou o julgamento, juntamente com outros três, porque a Alemanha rejeitou um pedido de extradição.

Um tribunal de Frankfurt decidiu na altura que os supostos crimes tinham ocorrido há muito tempo para serem julgados. A próxima audiência de Andreas Hauschild será no dia 24 de outubro.

Recomendadas

“Não queremos um acordo parcial”. Trump perspetiva acordo comercial com a China para 2020

Trump disse que o seu relacionamento com o Presidente chinês, Xi Jinping, é muito bom, mas reconheceu que não tem sido fácil conseguir uma solução para a “guerra comercial” que separa os dois países há um ano e meio.

Correios britânicos estão a investigar “com urgência” devoluções de votos postais portugueses

Um porta-voz do Royal Mail confirmou a existência de “alguns casos” em que os envelopes que contêm o voto postal para os cidadãos portugueses que vivem no Reino Unido não estão a ser reconhecidos pelos sistemas de processamento da empresa.

António Costa homologou parecer da PGR sobre contratos do Estado com empresas de familiares de governantes

Parecer tinha sido pedido a 30 de julho na sequência da polémica com empresa do filho do ex-secretário de Estado da Proteção Civil. O caso foi suscitado depois da notícia do Observador sobre os três contratos do filho de José Artur Neves celebrados com o Estado quando o pai estava em funções políticas.
Comentários