Exclusivo JE: Daniel Ferro é o novo presidente do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Carlos Martins, Presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte, será substituído à frente da instituição por Daniel Ferro, presidente do Conselho de Administração do hospital Garcia de Orta, apurou o Jornal Económico.

Carlos Martins, presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte ( que integra o Hospital de Santa Maria e o Hospital de Pulido Valente) será substituído à frente da instituição por Daniel Ferro, presidente do Conselho de Administração do hospital Garcia de Orta.

Carlos Martins era presidente do Conselho de Administração do Centro Hospital Lisboa Norte (CHLN) desde fevereiro de 2013, tendo sido reconduzido no cargo em abril de 2016.

O mandato de Carlos Martins teria terminado a 31 de dezembro de 2018 e a mudança já era esperada.

O Jornal Económico apurou ainda que Ana Escoval, presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar Lisboa Central, será substituída por Rosa Matos Zorrinho.

Relacionadas

Governo substitui presidente do Hospital de Santa Maria

Presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Lisboa Norte, Carlos Martins, será substituído à frente da instituição que gere um dos maiores hospitais do país.
Recomendadas

Lei laboral: O que dizia o acórdão do Tribunal Constitucional de 2008?

Partidos à esquerda do PS vão pedir apreciação da lei laboral ao Tribunal Constitucional e recordam acórdão de 2008 sobre o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias para trabalhadores indiferenciados.

Legislação laboral: PCP e Bloco vão pedir a fiscalização ao Constitucional

A menos de dois meses das eleições legislativas, estalou o verniz entre os partidos da geringonça. Os parceiros parlamentares do PS querem que o Tribunal Constitucional fiscalize as alterações à lei do trabalho.

Trump promete não construir torre se comprar a Gronelândia

“Prometo não fazer isto na Gronelândia”, afirma Trump no Twitter. A publicação do presidente sobre a compra da ilha dinamarquesa pode querer significar que Donald Trump quer avançar com a oferta irrealista. O Governo de Copenhaga já deixou bem claro que a Gronelândia não está à venda e que a ideia é “absurda”.
Comentários