Existem mais mulheres a hospedar no Airbnb desde o inicio da pandemia. Lucros ascendem aos 500 milhões de euros

A Airbnb estima que 55% dos seus 4 milhões de anfitriões a nível mundial são mulheres. Uma tendência semelhante pode ser observada em Portugal, onde 52% dos anfitriões na plataforma se identificaram como mulheres.

As mulheres em Portugal compõem cerca de 49% dos novos anfitriões que começaram a hospedar através da plataforma de alojamento local Airbnb.

Num comunicado divulgado, esta quinta-feira, a empresa estima também que, a nível global, as novas anfitriãs que começaram a acolher desde o início da pandemia, com apenas um alojamento na Airbnb, ganharam coletivamente 500 milhões de euros desde março passado.

“Esta tendência tem proporcionado uma linha financeira muito necessária às mulheres e suas famílias numa altura em que os encargos económicos e os sacrifícios têm caído desproporcionalmente sobre os seus ombros”, lê-se na nota enviada às redações.

Feitas as contas, a Airbnb estima que 55% dos seus quatro milhões de anfitriões a nível mundial sejam mulheres, equivalendo a mais de dois milhões de anfitriãs. Em Portugal, dados internos mostram que essa percentagem é de 52%.

Quanto à sua localidade, os dados da plataforma de alojamento local revelam que maioria das anfitriãs que se identificam como mulheres estão localizadas em Lagos, Albufeira, Lisboa e Porto, por esta ordem.

Os dados da Airbnb também mostram que 84% dos anfitriões começam a hospedar “durante um período de transição” e, para muitos deles, isso representa uma “liberdade financeira”. Por sua vez, metade de todos os anfitriões a nível mundial mencionaram que utilizam os seus ganhos através da Airbnb para permanecerem nas suas casas.

O comunicado divulgado também dá conta que 51% dos anfitriões de Experiências Online, lançada no início da pandemia , são agora mulheres. Num inquérito recente da Airbnb, 35% destas mulheres partilharam que começaram a sua  para substituir o rendimento perdido de um emprego a tempo inteiro ou a tempo parcial, e 23% disseram que é a sua principal fonte de rendimento.

Ler mais

Recomendadas

IGCP volta hoje ao mercado com dois leilões entre 1.000 e 1.250 milhões de euros

A entidade já tem previsto mais dois leilões, um no dia 19 de maio, para entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros e outro no dia 16 de junho, com um montante previsto entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros, de acordo com informação no ‘site’ do IGCP.

Portugal corre o maior risco na UE de uma crise prolongada, afirma o banco ING

A elevada exposição ao turismo e outros sectores vulneráveis, o que significa uma percentagem considerável da economia sem a possibilidade de teletrabalho, bem como fragilidades macro e falta de literacia digital colocam o país em risco de uma crise profunda que, juntamente com o resto do Sul da Europa, pode resultar num agravamento do fosso em relação ao Norte mais desenvolvido.

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.
Comentários