PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.

O dia 12 de abril de 1961 foi, a acreditar nas notícias que circulavam à época, o pior dia da vida da National Aeronautics and Space Administration, mais conhecida pelo acrónimo NASA – criada pouco tempo antes, em julho de 1958. Nessa quarta-feira, a ciência soviética conseguia enviar para a órbita terrestre um astronauta de nome Iuri Alexeievitch Gagarin (que haveria de morrer em março de 1968 aos comandos de um ‘modesto’ avião de combate MIG 15), fazendo morder o pó da humilhação a toda a federação norte-americana.

Muitas décadas mais tarde, a 22 de maio de 2012, uma empresa privada, a Space X, fazia sair da órbita terrestre o primeiro foguetão privado a circular fora do alcance da força da gravidade do planeta Terra. É certo que o aparelho circulava nessa terça-feira sob contrato da NASA – iria abastecer a Estação Espacial Internacional (ISS) com 500 quilos de mantimentos, mas, ao menos para os puristas, não era a mesma coisa.

Entre as duas datas, a NASA cumpriu a função (uma promessa que o ex-presidente John F. Kennedy não pôde testemunhar) de colocar o primeiro homem na lua (feito que ainda hoje tem o seu próprio grupo de negacionistas), de liderar o instinto humano para vasculhar novos horizontes (esses que o ex-presidente Ramalho Eanes dizia serem os dos portugueses se a gesta dos Descobrimentos pudesse ter sido sustentada até aos nossos dias) e de manter a capacidade de o homem sonhar (que faz o mundo pular e avançar, segundo uma canção caída no esquecimento).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Faz-me impressão que nem se considere baixar impostos” como combate à crise

Ao compilar mais de 15 anos de crónicas sobre a vida económica e política de um país, o resultado será, invariavelmente, um retrato aproximado da última década e meia da atualidade nacional.

PremiumRelógios: Tentações fortes para 2021

A pandemia chegou, sem aviso prévio, e provou que não há certezas, mesmo no mundo das horas certas. A indústria suíça confronta-se assim com vários dilemas, sendo este um dos maiores: há necessidade de feiras, num mundo cada vez mais digital?

PremiumLuís Aguiar-Conraria: “Se pensássemos mais racionalmente, talvez todos ganhássemos com isso”

Depois de “Crise e Castigo”, o economista e professor na Universidade do Minho Luís Aguiar-Conraria lança um novo livro, desta feita uma coletânea de crónicas e textos escritos ao longo dos últimos 16 anos. O JE falou com o autor sobre a obra e a atualidade nacional, que foi servindo de inspiração semanal ao longo destes anos.
Comentários