Exportações agroalimentares sobem 0,4% até junho para 3.285 milhões de euros

Só em junho, as exportações progrediram 5,2% para 552 milhões de euros, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, enquanto as importações recuaram 0,7% para 801 milhões de euros.

Peter Nicholls/Reuters

As exportações agroalimentares cresceram 0,4% entre janeiro e junho, face ao mesmo período de 2019, para 3.285 milhões de euros, enquanto as importações cederam 4,5% para 4.870 milhões de euros, avançou o Governo, citando dados do INE.

“No que respeita ao acumulado de janeiro a junho de 2020, em relação ao período homólogo de 2019, registou-se um ligeiro acréscimo das exportações, de 3.271 para 3.285 milhões de euros (+0,4%), e uma diminuição das importações, de 5.101 para 4.870 milhões de euros (-4,5%)”, apontou, em comunicado, o Ministério da Agricultura.

Só em junho, as exportações progrediram 5,2% para 552 milhões de euros, em comparação com o mesmo mês do ano anterior, enquanto as importações recuaram 0,7% para 801 milhões de euros.

De acordo com o ministério tutelado por Maria do Céu Antunes, por produto, as plantas vivas e os de floricultura cresceram, em junho, 39,7%, seguindo-se os vinhos e mostos (16%), os frutos (6,2%) e os produtos lácteos, ovos e mel (4,4%).

Para o Governo, “apesar do contexto ainda marcado pelos efeitos socioeconómicos da pandemia”, estes dados representam já um sinal de retoma.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 715 mil mortos e infetou mais de 19,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.746 pessoas das 52.351 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

 

Ler mais

Recomendadas

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.

Derrocada na Praça de Espanha. “Não estão reunidas as condições para abrir o túnel”, diz vereador

“Todas as pessoas foram evacuadas. Estavam cerca de 300 pessoas dentro da carruagem, das quais resultaram três feridos, mais o segurança. Vão já começar os trabalhos para que sejam retomadas as condições de normalidade o mais depressa possível. Numa análise muito preliminar, prevê-se pelo menos um a dois dias de interrupção”, garantiu o responsável autárquico.
Comentários