Extrema-direita holandesa ganha eleições provinciais e assusta liberais

O primeiro-ministro liberal Mark Rutte pode ter os dias contados à frente do governo. A extrema-direita, herdeira de Geert Wilders, estará em breve à frente do Senado. Mais um sinal de alerta-vermelho para a União Europeia.

Mark Rutte

O Fórum pela Democracia (FVD), partido da extrema-direita holandesa, varreu as eleições provinciais na Holanda, tornando-se o maior partido do Senado, depois de ter chamado a si eleitores concentrados até agora no partido os liberais (VVD) do primeiro-ministro Mark Rutte – que, como consequência, perdeu a maioria na Câmara Alta. Com 99% dos votos contados, a extrema-direita – que usa um léxico idêntico ao que vem sendo habitual junto dos seus congéneres europeus – entra em força plenamente na política provincial e nacional.

“O país precisa de nós, hoje escolhemos lutar de novo”, disse o líder do partido, Thierry Baudet, citado por vários jornais, para confirmar a vitória, para a qual contou com os antigos apoiantes de Geert Wilders, anterior líder da extrema-direita que por pouco não conseguiu fazer eleger-se primeiro-ministro em 2017.

Baudet foi o único político que não cancelou a sua campanha eleitoral após o tiroteio de Utrecht, na última segunda-feira, o que lhe custou críticas do governo mas aparentemente não lhe retirou votos.

Aliás, o líder do FVD aproveitou as críticas para reforçar a sua posição anti-imigração, que costuma ser acompanhada por declarações depreciativas para com a necessidade de ajustes por causa das alterações climatéricas, sexistas, antifeministas e eurocéticas.

As eleições foram apresentadas como uma espécie de plebiscito às políticas de Rutte, que está a perder apoio entre os holandeses, mas também como uma auscultação às eleições europeias de maio – o primeiro teste de fogo pela extrema-direita da União Europeia.

Os analistas acreditam que este é o princípio do fim da carreira política dos liberais na Holanda – algo que já esteve a acontecer quando Rutte foi eleito por pequena margem em 2017. Os partidos da coligação do governo, o VVD, os Democratas 66, os democratas-cristãos do CDA e da União Christian, perderam todos eles apoio nas eleições desta quarta-feira.

Estas eleições, nas quais os membros dos conselhos provinciais são eleitos, também determinam a composição do futuro Senado, que é formado em maio, onde o atual executivo perderá uma maioria que era muito curta: o governo de Haia passa de 38 para apenas 30 senadores, numa câmara de 75 membros.

O FVD entra no Senado pela primeira vez, obtendo 13 assentos, um a mais que o liberal VVD. O populista Geert Wildersm, do Partido da Liberdade (PVV), também foi um grande perdedor nestas eleições e vai ficar com apenas cinco lugares e não os nove que tinha até agora.

O Senado será eleito em maio pelos 570 membros dos 12 conselhos provinciais eleitos nesta quarta-feira. O que é conhecido como Holanda do Sul, incluindo Haia e Roterdão, tornaram-se uma espécie de bastião da extrema-direita.

O Senado tem a palavra final na aprovação das leis propostas pelo governo, que passam primeiro pelo Parlamento, onde o atual executivo controla 76 dos 150 assentos. Rutte já garantiu que não vai renunciar.

Ler mais
Recomendadas

Bolsonaro vem a Portugal no início de 2020

Jair Bolsonaro, deverá visitar Portugal no início de 2020, disse hoje, em entrevista à Lusa, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo.

Estes são os 10 homens mais admirados do mundo e Cristiano Ronaldo é um deles

O site “Yougov” divulgou esta sexta-feira o ranking dos 20 homens mais admirados a nível mundial em 2019 e nos primeiros dez surge o jogador português, à frente de nomes como Leonel Messi, Dalai Lama e Vladimir Putin.

Depois dos tremores, Merkel garante que condições para continuar chanceler até 2021

“Eu posso desempenhar este papel. Como pessoa, tenho um forte interesse pessoal na minha saúde e, como eu disse, 2021 é a conclusão do meu trabalho político”, garantiu Merkel.
Comentários