Facebook sofre a maior quebra da sua história. 2 mil milhões afetados. Instagram, Whatsapp e Messenger também estiveram em baixo

Além do Facebook, outros dos seus serviços também estiveram em baixo, como o programa de mensagens Messenger, ou a aplicação de partilha de imagens Instagram. A última vez que o Facebook tinha tido uma quebra desta magnitude foi em 2008, mas então tinha apenas 150 milhões de utilizadores.

O Facebook sofreu a maior quebra da sua história. A rede social esteve indisponível durante parte do dia de quarta-feira, afetando os seus 2,3 mil milhões de utilizadores em todo o mundo.

Além do Facebook, outros dos seus serviços também estiveram em baixo, como o programa de mensagens Messenger, a aplicação de partilha de imagens ou a plataforma de mensagens Whatsapp.

Esta quinta-feira as aplicações estão a voltar à normalidade. O Instagram anunciou mesmo no Twitter que já estava novamente em linha.

“Estamos conscientes que algumas pessoas estão a ter problemas a aceder ao Facebook ou à sua família de aplicações. Estamos a trabalhar para resolver este assunto o mais rapidamente possível”, disse a rede social em comunicado, citado pela BBC esta quinta-feira, 13 de Março.

A rede social não adiantou as causas para esta quebra, mas garantiu não se tratar de um ciberataque.

A última vez que o Facebook tinha tido uma quebra desta magnitude foi em 2008, quando a rede social tinha apenas 150 milhões de utilizadores, um número muito abaixo dos atuais 2,3 mil milhões de utilizadores.

 

Ler mais
Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários