Falta de mão de obra qualificada retrai crescimento alemão

Embora esteja previsto um “crescimento robusto” em torno dos 2%, o Instituto de Estudos Económicos da Universidade de Colónia (IW) acredita que a economia alemã podia estar mais forte, se não fosse a escassez de pessoal qualificado.

A falta de mão de obra qualificada é um dos principais entraves a um maior crescimento económico na Alemanha, alerta o Instituto de Estudos Económicos da Universidade de Colónia (IW). Embora esteja previsto um “crescimento robusto” em torno dos 2%, o IW acredita que a economia alemã podia estar mais forte, se não fosse a escassez de pessoal qualificado.

“As empresas investiriam mais em equipamentos e tecnologia se tivessem mais trabalhadores qualificados disponíveis em grande parte dos setores económicos”, explica o diretor da IW, Michael Hüther, citado pelo jornal espanhol ‘Expansión’.

Michael Hüthe explica que muitas empresas estão a trabalhar até ao limite das suas possibilidades para atender à forte procura de bens e serviços no país e a nível internacional. Um estudo feito pelo IW mostra que 47% das empresas admitem que a falta de profissionais qualificados é um dos principais obstáculos ao aumento da produção empresarial.

Ainda assim, quase metade das empresas prevê aumentar a sua produção no próximo ano. Apenas 9% discordam desta opinião e afirmam que esperam uma redução no volume de produção. Mais de 40% das empresas querem ainda aumentar a sua força de trabalho, enquanto 11% estão a pensar em reduzi-la.

Recomendadas

Coronavírus. Autoridades identificam doente “supercontagiador”

As autoridades de saúde chinesa anunciaram terem omitido informações sobre a gravidade e a cronologia da transmissão do vírus. No dia 7 de janeiro, quando o primeiro paciente deu entrada no centro hospital de Wuhan, a equipa médica que o acompanhou foi também infetada tendo sido colocada numa ala de isolamento juntamente com o paciente.

Bruxelas aconselha países da UE a restringir ou excluir “fornecedores de alto risco” das redes de 5G

Em causa está a “caixa de ferramentas” hoje divulgada pela Comissão Europeia com recomendações de “ações-chave” para os Estados-membros implementarem para mitigar possíveis ciberataques, ações de espionagem ou outro tipo de problemas relacionados com o desenvolvimento desta nova tecnologia.

Bruxelas vai apresentar nova Estratégia com África e quer fechar acordo UE-ACP

O novo executivo comunitário que tomou posse em dezembro passado adotou e apresentou hoje, em Bruxelas, o seu programa de trabalho para 2020, que define as iniciativas que a Comissão vai levar a cabo este ano para concretizar as orientações políticas fixadas por Von de Leyen, com África a surgir em plano de destaque no capítulo de “uma Europa mais forte na cena mundial”, uma das suas seis “ambições principais”.
Comentários