Famílias poupam 110 euros anuais com redução do IVA na energia, calcula Deco

A associação considera que a diminuição do imposto “é uma questão política e não orçamental”.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco Proteste) calcula que cerca de quatro milhões de famílias portuguesas consigam poupar, em média, 110 euros anuais com a redução do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) na energia doméstica (eletricidade, gás natural e gás engarrafado) para 6% em Portugal Continental, 5%, na Madeira e 4% nos Açores.

A associação considera que a diminuição do imposto “é uma questão política e não orçamental”, tendo em conta que “pouco ou nada se refletiram algumas decisões que reduziriam em várias centenas de milhões de Euros os custos de produção”. “Vejamos o caso dos CMEC (Custos de Manutenção para o Equilíbrio Contratual) que, entre 2007 e 2017, e de acordo com o regulador do setor, terá custado cerca de 510 milhões de euros aos portugueses por via de uma sobrecompensação”, exemplifica a Deco.

Segundo argumenta a organização, num comunicado divulgado esta quinta-feira, a medida representa uma folga orçamental para as famílias de 440 milhões de euros, considerando os consumos em Baixa Tensão Normal, que será transferida para a economia portuguesas através de outros meios que não este fiscal.

Em meados do mês passado, a Deco Proteste defendeu esta sexta-feira que o IVA aplicado ao gás engarrafado baixe de 23% para 6% por se tratar de um “serviço essencial” que está a ser “taxado como luxo”. Hoje, adianta que cerca de 50 mil portugueses que já se juntaram ao movimento “Basta!” para a redução desta taxa.

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários