Farfetch compra joalheira japonesa Ambush

Criada em 2016, a empresa nipónica gera uma faturação de 22 milhões de dólares e, para além de ter os seus produtos à venda na plataforma de luxo, tem no Japão o seu principal mercado.

Farfetch

A platarforma luso-britânica Farfetch voltou a aumentar os seus ativos com a aquisição da empresa de joalheria japonesa Ambush, uma transação que ficou a cargo da New Guards Group, controlado pelo grupo liderado por José Neves desde agosto de 2019. O valor do negócio não foi revelado.

A Ambush – cujas produções já anteriormente podiam ser adquiridas na plataforma da Farfetch – foi fundada em 2008 por Yohhn Ahn e o rapper Verbal e em 2016 abriu a sua primeira loja em Tóquio, cidade a partir da qual começou um movimenro de expansão. A empresa gera cerca de 22 milhões de dólares em vendas e o Japão continua a ser o seu principal mercado.

Já a New Guards Group surgiu em Milão em 2015, pelas mãos de Davide De Giglio e Claudio Antonioli. A empresa, que em agosto passou para os ativos da Farftetch por 675 milhões de dólares (606 milhões de euros), controla as marcas Off-White, Palm Angels, Marcelo Burlon Country Mila, Hern Preston, Unravel Project, Alanui e A Plan Apllication .

A Farfetch registou perdas de 85,4 milhões de dólares no terceiro trimestre do ano, um resultado pior do que no mesmo período do ano passado (prejuízos de 77,2 milhões de dólares), mas mesmo assim não tão maus quanto os analistas esperavam.

As receitas do grupo subiram para 255,4 milhões de dólares, um crescimento acentuado face aos 134,5 milhões de dólares do mesmo período em 2018. A plataforma de comércio de moda de luxo anunciou na altura que prevê, no quatro trimestre, perdas entre os 21 e os 31 milhões de dólares.

Relacionadas

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Prejuízo da Farfetch aumenta 10,6% para 85,5 milhões de dólares no terceiro trimestre

A empresa liderada por José Neves alargou novamente o prejuízo face ao período homólogo apesar de um disparo de 90% nas receitas. Salientou, no entanto, que superou o ‘guidance’, tanto no volume de negócios da plataforma digital como na margem EBITDA e que tem um ‘outlook’ positivo para o último trimestre do ano.
Recomendadas

Estudo Basef Seguros escolhe Fidelidade

O Basef Seguros – Barómetro de Serviços Financeiros é um estudo de referência realizado há mais de 20 anos pela Marktest, que dá a conhecer o comportamento da população portuguesa em relação ao setor segurador.

Menos de metade das empresas de turismo investiram em inovação no último ano

“Com este estudo, tentámos perceber qual o patamar em que estão as empresas no que respeita à transformação digital e à inovação”, diz Francisco Calheiros.

Quatro sindicatos do setor financeiro juntam-se para criar o “Mais Sindicato”

De acordo com os estatutos, serão agendadas, num prazo de seis meses, eleições para os órgãos diretivos da futura estrutura sindical – Mais Sindicato.
Comentários