Farfetch: “Procura sólida” pelas ações da futura “Amazon de luxo” faz disparar valor

Após ter encaixado 885 milhões de dólares numa oferta pública inicial, o português José Neves viu as ações da Farfetch valorizaram 42,25% na sexta-feira. A empresa terminou o dia a valer mais de oito mil milhões de dólares.

A tecnológica luso-britânica Farfetch estreou-se na Bolsa de Nova Iorque na passada sexta-feira e viu as ações valorizarem 42,25% na primeira sessão. O unicórnio criado pelo português José Neves e com sede em Londres acabou o dia a valor 8,3 mil milhões de dólares, sendo que o valor apontado antes da estreia situava-se entre os 4,9 e os 5,5 mil milhões de dólares.

“As primeiras horas de negociação em bolsa da Farfetch foram marcadas por procura sólida, com a acção a registar mínimos e máximos cada vez mais altos”, afirmou Steven Santos, head of trading platforms do BiG – Banco de Investimento Global, que disponibilizou as ações da Farfetch para negociação em mercado secundário, através do site e das plataformas MyBolsa e BiGlobal Trade.

Após ter encaixado 885 milhões de dólares, numa oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) em que foram vendidos 44,2 milhões de títulos a 20 dólares cada, as ações da Farfetch entraram na Bolsa de Nova Iorque a valerem 27 dólares, ou seja, com uma valorização de 35%.

Ao longo dia chegaram mesmo a tocar nos 30,58 dólares e acabaram por fechar nos 28,45 dólares, com um ganho de 42,25% e depois de 25,4 milhões de títulos trocarem de mãos.

“A apetência dos investidores pela Farfetch deve-se a alguma expetativa de que a Farfetch possa vir a ser uma Amazon dos bens de luxo, em linha com o fortalecimento do retalho online e capitalizando o interesse crescente nos países emergentes por este tipo de artigos e a proliferação das classes médias nestes países”, explicou Steven Santos, ao Jornal Económico.

A Farfetch é detentora de uma plataforma de moda, que vende produtos de mais de 700 marcas de luxo de todo o mundo. A plataforma de comércio eletrónico de moda contava com cerca de 935 mil utilizadores, segundo dados relativos ao final de 2017. O número de utilizadores registou um aumento de 40% face ao final de 2016.

Na apresentação de resultados do primeiro semestre, a empresa liderada por José Neves explicou não esperar pagar dividendos no “futuro previsível”. A tecnológica pretende reter todos os fundos disponíveis e quaisquer lucros futuros (em 10 anos de existência nunca apresentou lucros) para financiar o desenvolvimento e expansão do negócio.

Além da expetativa dos investidores em relação ao futuro da empresa, a Farfetch beneficiou ainda do sentimento positivo em Wall Street, segundo o head of trading platforms do BiG.

“O dia escolhido para entrar em bolsa foi particularmente positivo, com o S&P 500 e o Dow Jones Industrial Average a atingirem novos máximos históricos. O índice S&P Global Luxury subiu 0,82%, sendo que a Farfetch beneficia desta tendência positiva em torno do sector”, acrescentou.

Ler mais
Relacionadas

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Estreia de sonho. Ações da Farfetch valorizam 35% em Wall Street

A Farfetch, empresa de e-commerce ligada ao ramo de luxo, liderada pelo português José Neves, começa a negociar na bolsa nova-iorquina esta sexta-feira.

PremiumFarfetch vai ao teste da bolsa com sombra do prejuízo

Tecnológica luso-britânica entra esta sexta-feira na New York Stock Exchange com uma avaliação entre 4,9 e 5,5 mil milhões de dólares.
Recomendadas

Dos 30 milhões de euros que precisa, o Sporting tem procura de 11,5 milhões

As ordens submetidas até agora representam 38,4% do valor total da oferta e 76,8% do valor mínimo de subscrição da oferta, que é de 15 milhões de euros, explicou a SAD do clube de Alvalade, em comunicado.

Apple afunda quase 4% e arrasta Wall Street para terrenos negativos

Wall Street segue a desvalorizar com a Apple a entrar em “bear market”

Criptomoedas tombam, com a Bitcoin a cair abaixo dos 5.000 dólares

O sell-off foi desencadeado pelas multas da SEC. A grande maioria das ICOs perdeu um valor substancial em 2018, noticia a Bloomberg.
Comentários