Faróis receberam este ano 100 mil visitantes e o de Aveiro foi o mais procurado

Aumento de visitantes em 2018, em relação ao ano anterior, constitui um recorde, diz a Autoridade Marítima. Faróis de Aveiro, Madeira e Açores foram os mais visitados.

Rafael Marchante / Reuters

Os 28 faróis abertos ao público em Portugal receberam este ano 101.613 visitantes, mais 27.721 do que os registados em 2017, sendo o de Aveiro o mais procurado, indicou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

“O aumento de visitantes em 2018, em relação ao ano anterior, constitui um recorde visto que, desde que os faróis abriram ao público, em 2011, o aumento médio anual de visitantes era de 7.600”, sublinha a Autoridade Marítima, na sua página de Internet.

No topo das preferências está o Farol de Aveiro, que registou este ano 15.561 visitantes.

Conhecido localmente como “Farol da Barra”, o Farol de Aveiro ergue-se a 66 metros acima do nível do mar, sendo o maior de Portugal e o segundo mais alto da Península Ibérica.

Foi construído no século XIX, entre os anos de 1885 e 1893, e à data da sua construção era o sexto maior do mundo em alvenaria de pedra. Foi eletrificado em 1936.

O segundo e terceiro faróis portugueses mais visitados deste ano situam-se na Madeira e nos Açores. São, segundo a Autoridade Marítima, os faróis da Ponta do Pargo e o do Arnel, que registaram 15.301 e 10.951 visitantes, respetivamente.

De acordo com os números divulgados pela Autoridade Marítima Nacional, os 15 faróis abertos ao público em Portugal Continental registaram 53.580 visitantes, este ano, enquanto os dois faróis da Madeira somaram 23.410 entradas e, os 11 dos Açores, 24.623.

Entre os faróis do continente, estão os de Leça, Cabo Mondego, Cabo Carvoeiro, Berlenga, Cabo da Roca, Cabo Espichel, Sines, Cabo de São Vicente e Vila Real de Santo António.

Nos Açores, contam-se igualmente, entre outros, os faróis de Ferraria, Ponta da Garça, Gonçalo Velho, Contendas, Ponta da Barca, Ponta da Ilha, Ponta do Albarnaz, Lajes das Flores e Ponta do Topo, e, na Madeira, o de São Jorge.

Ler mais
Recomendadas

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.

Crise no mercado de retalho deve ser pior do que crise de 2009

Quando a recuperação económica chegar, a publicação estima que esta seja lenta, uma vez que a maioria dos mercados afetados pela crise de 2008/2009 demorou perto de um ano até que as vendas retomassem a níveis pré-crise.
Comentários