FBI investiga mulher que terá tentado vender computador de Nancy Pelosi à Rússia

A mulher em questão participou da invasão ao Capitólio e a denuncia de que poderá estar a tentar vender o computador de Nancy Pelosi veio de um ex-namorado.

A polícia dos EUA está a investigar a possibilidade de uma mulher ter roubado o computador ou disco rígido do gabinete da presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, durante a invasão ao Capitólio, segundo avança esta segunda-feira a agência “Reuters”.

Segundo informações de um agente do FBI a mulher poderá ter tentado vender o computador ou disco rígido aos serviços de inteligência da Rússia. Na mesma ocasião, o agente do FBI apontou que Riley June Williams, da Pensilvânia é acusada de violar ilegalmente o edifício do Capitólio e direcionar as pessoas ao escritório de Pelosi.

O roubo de dispositivos eletrónicos de escritórios do Congresso tem sido uma preocupação persistente depois da invasão ao Capitólio. O procurador-geral dos Estados Unidos, Michael Sherwin, referiu que alguns destes furtos podem ter colocado em risco o que ele descreveu como “ações de segurança nacional”.

De acordo com um depoimento no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito de Columbia, o FBI recebeu a denúncia de alguém que afirmou ser um ex-namorado de Williams. O informante frisou que Williams “pretendia enviar o dispositivo do computador para um amigo na Rússia, que planeava vender o dispositivo para o serviço de inteligência estrangeiro da Rússia”.

O porta-voz da Pelosi, Drew Hammill, ainda não respondeu às perguntas da “Reuters”, mas dois dias após a invasão ao Capitólio, Hammill afirmou que um computador usado para apresentações tinha sido roubado do escritório de Pelosi. Ainda não está esclarecido  se este dispositivo é o mesmo que Williams foi acusada de ter.

Quanto a Riley June Williams, fugiu da Pensilvânia, desativou o número de telefone e removeu contas nas redes sociais.

Ler mais
Relacionadas

EUA notificam empresas norte-americanas para revogar licenças que permitem trabalhar com a Huawei

Apesar de estar na porta de saída da Casa Branca, Donald Trump continua empenhado em enfraquecer a Huawei, a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações, por considerar que a empresa é uma ameaça à segurança norte-americana.

Donald Trump vai abandonar Washington horas antes da investidura de Biden

Donald Trump, que tinha anunciado na sexta-feira que não compareceria à cerimónia de investidura de Joe Biden, voará para o seu clube em Mar-a-Lago, na Flórida, de onde deverá assistir televisivamente à tomada de posse de Biden, na companhia de alguns assessores.
Recomendadas

PremiumExploração espacial: Todos os caminhos vão dar a Marte

O planeta vermelho está por estes dias cheio de trânsito: três missões – dos Estados Unidos, da China e dos Emirados Árabes Unidos – evoluem em paralelo, na tentativa de darem a perceber melhor as suas caraterísticas, até porque a NASA pretende trazer amostras recolhidas pela Perseverance de volta para a Terra. Entre o sonho humano de chegar sempre mais longe e a vontade política de comandar esse sonho, Marte é a próxima fronteira.

PremiumPablo Hasél: Rap para aquecer as noites frias do inverno catalão

Um rapper está preso desde o dia seguinte às eleições na Catalunha. Não será motivo suficiente para explicar o incêndio que volta a devastar Barcelona: o impasse político com Madrid mantém-se e parece mesmo ter possibilidade de aumentar. Entretanto, ainda ninguém sabe como será o próximo governo da autonomia.

Pokémon comemora 25 anos em alta com ajuda da pandemia

O vídeojogo Pokémon, uma das franquias globais mais bem sucedidas, assinala hoje 25 anos da estreia no Japão, agora reforçado pela pandemia da covid-19 que tem impulsionado o entretenimento digital.
Comentários