FCT adia por um mês prazo de duração dos contratos de bolsa

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia vai dar mais um mês no prazo de todos os contratos de bolsa que financia diretamente. A 9 de abril fará nova avaliação da data agora estabelecida.

Jerry Lampen/Reuters

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) prorrogou automaticamente por um mês o prazo de duração de todos os contratos de bolsa, que financia diretamente e que estavam em vigor a 13 de março.

A decisão foi tomada no âmbito das medidas excecionais de suspensão das atividades letivas e não letivas, que decorram de forma presencial, determinado pelo Governo.

Este organismo informa em comunicado enviado às redações que “os bolseiros mantêm todos os direitos, incluindo o pagamento integral do subsídio mensal de manutenção”.

A FCT informa ainda que para os bolseiros que desenvolvem atividades no estrangeiro a prorrogação pode ter uma duração superior. Para que isso seja possível devem comprovar junto da FCT que a instituição estrangeira onde decorre o plano de trabalhos esteve encerrada pelas autoridades de saúde pública desse país por um período superior.

No dia 9 de abril será reavaliada a data agora estabelecida, decidindo, nessa altura, a FCT se é necessário ou não novo adiamento automático para as bolsas.

Recomendadas

Covid-19: Universidades e politécnicos asseguram testes por todo o país

As universidades e politécnicos estão a assegurar a realização de testes à covid-19 por todo o país em lares de idosos e à comunidade em geral, num movimento considerado esta quarta-feira pelo Governo “inédito a nível nacional”.

Alunos de Finanças do ISEG entre os melhores da Europa

A equipa do Quelhas alcançou o Top 4 do CFA Challenge, concurso mundial para estudantes de finanças. A prova foi disputada por videoconferência devido ao Covid-19.

De viseiras 3D a ventilador simples. Politécnico de Leiria responde com inovação à Covid-19

Em parceria com a empresa Luz Costa & Rodrigues, o Politécnico está a desenvolver um projeto inovador de produção industrial de viseiras por injeção.
Comentários