Fecho das centrais a carvão de Sines e do Pego: Portugal vai receber 204 milhões de fundos europeus

O fundo destina-se a apoiar “estas regiões e respetivas populações a desenvolver novas atividades económicas”, com o fecho das centrais. Polónia, Alemanha e Roménia levam 43% dos fundos disponíveis no Fundo para a Transição Justa. Nas contas anteriores, Portugal iria receber 465 milhões de euros.

Portugal vai receber 204 milhões de euros de fundos europeus para descarbonizar a sua economia. O Conselho Europeu aprovou hoje os valores previstos para os estados-membros no âmbito do Fundo de Transição Justa.

A proposta para as regras do Fundo para a Transição Justa vai ser finalizada nos primeiros meses de 2021 já sob a presidência portuguesa da União Europeia

Um dos principais objetivos deste fundo é reconverter a indústria de produção de energia, para eliminar definitivamente a produção de eletricidade a carvão. O dinheiro vai chegar a Portugal num momento em que o país prepara-se para desligar as centrais a carvão de Sines (da EDP) e do Pego (da Tejo Energia) até ao final de 2021.

Este valor representa menos de metade da estimativa anterior: 465 milhões de euros, conforme noticiou a agência Lusa a 28 de maio deste ano. Antes disso, o valor avançado em fevereiro era menor face ao valor final: 79 milhões de euros.

Os países europeus aprovaram assim esta terça-feira o envelope financeiro alcançado pela presidência alemã e o Parlamento Europeu no valor total de 17,5 mil milhões de euros. Os fundos vão chegar entre 2021 e 2027.

Este fundo destina-se em particular a regiões que precisam de desmantelar a produção e uso de carvão, lignite e petróleo de xisto, ou para transformar as suas indústrias carbono-intensivas.

Polónia, país muito dependente do carvão, vai receber um total de 3,5 mil milhões neste pacote. Segue-se a Alemanha (2,25 mil milhões), a Roménia (1,94 mil milhões), a República Checa (1,49 mil milhões) e a Bulgária (1,17 mil milhões).

Entre as três maiores beneficiárias, Polónia, Alemanha e Roménia levam 43% dos fundos disponíveis.

Numa análise publicada em fevereiro, a Comissão Europeia aponta que o “encerramento das duas centrais elétricas a carvão em Sines e Pego, que são os maiores emissores de gases emissores de estufa (GEE) em Portugal, se se considerarem todos os setores, deverá afetar cerca de 650 postos de trabalho diretos e alterar a estrutura das respetivas economias regionais”.

Bruxelas também destacou “outros territórios com indústrias altamente poluentes, como Sines e Matosinhos, onde são fabricados produtos petrolíferos refinados e plásticos, deverão também sofrer importantes impactos económicos e sociais negativos em resultado da transição”.

A Comissão Europeia sublinhou que o Fundo para um Transição Justa foi criado precisamente para “permitir a estas regiões e às respetivas populações desenvolver novas atividades económicas, essencialmente nos setores identificados nas suas estratégias de especialização inteligente, e tornar assim as suas economias mais modernas e competitivas com base em investimentos sustentáveis, atenuando simultaneamente os custos sociais da transição ao assegurar a empregabilidade e a adaptabilidade dos trabalhadores afetados pelo encerramento das centrais.”

Em fevereiro, Bruxelas explicava que as “estimativas sugerem que o encerramento das centrais afetaria cerca de 650 postos de trabalho: 350 em Sines, 200 no Pego e 100 no porto de Sines onde o carvão é recebido. Para os dois municípios (Sines e Abrantes), os postos de trabalho em causa correspondem a quase 8 % e 3 % do número total de pessoas empregadas. Com base nesta avaliação preliminar, afigura-se justificado que o Fundo para uma Transição Justa concentre a sua intervenção nestas regiões”.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.
Comentários