Fed continua em modo de pausa e mantém taxas de juro inalteradas

O banco central norte-americano manteve a ‘federal funds rate’ fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%.

A Reserva Federal norte-americana manteve a taxa de juro de referência (federal funds rate) inalterada, em linha com as expetativas dos analistas. A federal funds rate continua fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%, anunciou o Federal Open Market Committee (FOMC), após a reunião de dois dias que terminou esta quarta-feira.

A última vez que o FOMC implementou um aumento na federal funds rate foi em dezembro do ano passado. Na reunião de janeiro a instituição liderada por Jerome Powell alterou a posição em relação ao percurso dos aumentos das taxas de juro dizendo que irá ser paciente, tendo em conta os desenvolvimentos económicos e financeiros, quando anteriormente apontava para aumentos graduais.

Essa posição foi mantida na reunião de março, com as avaliações dos membros do FOMC a apontarem para a manutenção da taxa de juro no nível atual até pelo menos o final do ano.

As atenções recaem agora sobre a conferência de imprensa de Jerome Powell às 18h30, com os mercados expectantes sobre os comentários que o presidente do banco central poderá fazer sobre o impacto dos últimos desenvolvimentos macroeconómicos na política monetária.

A economia dos Estados Unidos cresceu ao ritmo anual de 3,2% no primeiro trimestre deste ano, acima do previsto pelos analistas,  que esperavam uma taxa de cerca de 2,3%, . O valor, divulgado na passada sexta-feira, representa uma aceleração do crescimento económico face ao último trimestre de 2018, quando o Produto Interno Bruto aumentou 2,2%.

No comunicado divulgado esta quarta-feira, o FOMC referiu que os dados indicam que o mercado de trabalho permanece forte e que a atividade económica tem crescido a um ritmo sólido. Adiantou ainda que o crescimento do consumo das famílias e o investimento fixo das empresas desacelerou no primeiro trimestre.

“Numa base a 12 meses, a inflação geral e a inflação para itens à excepção de produtos alimentares e energia caíram e estão abaixo dos 2%”, explicou.

[Atualizada às 19h07]

 

Ler mais
Relacionadas

Economia dos EUA cresce 3,2% no 1.º trimestre, acima do previsto

Este valor supera as estimativas dos analistas, que esperavam uma taxa de cerca de 2,3%, e significa um aceleramento do crescimento económico face ao último trimestre de 2018, quando o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 2,2%.

‘Dot plot’: Mais de dois terços dos membros da Fed não vêem mais subidas nos juros este ano

De acordo com o ‘dot plot’, diagrama que ilustra o nível em que os membros vêem essa taxa no final do ano, 11 dos 16 decisores acredita que a ‘federal funds rate’ irá continuar no intervalo dos 2,25% a 2,50% até 2020.

Mario Draghi mostra-se preocupado com independência da Reserva Federal dos EUA

“Certamente estou preocupado com a independência do banco central em outros países, especialmente na jurisdição mais importante do mundo”, afirmou o presidente do Banco Central Europeu sobre os EUA.

Reserva Federal vai abrandar redução do balanço a partir de maio

O Federal Open Market Committee (FOMC) anunciou, no final da reunião de dois dias esta quarta-feira, que pretende “abrandar a redução do seu ‘stock’ de ativos do Tesouro ao reduzir o limite das amortizações mensais do atual nível de 30 mil milhões de dólares para 15 mil milhões a partir de maio de 2019”.
Recomendadas

Governo já enviou para Bruxelas esboço do Orçamento, mas só divulga na quarta-feira

Portugal já enviou para a Comissão Europeia o esboço do Orçamento do Estado para 2020, apurou o Jornal Económico junto de fonte governamental. No entanto, o documento apenas será divulgado esta quarta-feira de manhã no portal do Governo.

Conselho Económico e Social aponta desvio de 2 mil milhões no investimento público entre 2016 e 2018

A conclusão integra o projeto de parecer do Conselho Económico e Social (CES) sobre a Conta Geral do Estado (CGE) relativa a 2018 a que a Lusa teve hoje acesso.

CGA perdeu quase 32 mil subscritores nos últimos três anos, diz UTAO

A redução do número de subscritores, que em agosto totalizavam 435.837, “é natural”, explica a UTAO, pois a CGA é um sistema fechado a novas inscrições desde 2006, altura em que os novos trabalhadores da administração pública passaram a inscrever-se no regime da Segurança Social.
Comentários