Félix ou Félis? Calma, o João explica

Félis e Félix. A questão sobre como se pronuncia o apelido do internacional português que alinha pelo Atlético de Madrid continua a gerar controvérsia nas redes sociais.

A forma como se pronuncia o apelido de João Félix tem gerado alguma controvérsia desde que o jovem jogador começou a fazer-se notar na equipa principal do SL Benfica, após a chegada de Bruno Lage e é agora uma das figuras de relevo do Atlético de Madrid treinado por Diego Simeone.

Enquanto alguns jornalistas e comentadores desportivos pronunciam o apelido do agora jogador do Atlético de Madrid como ‘Félis’, quando ainda pertencia ao Benfica, João Félix assumiu que o seu apelido se lê como se escreve.

A entrevista à Benfica TV data de maio mas tem voltou a surgir nas redes sociais devido à forma como os internacionais teimam em dizer o seu nome. O jornalista da BTV iniciou a entrevista com uma “curiosidade”, de forma a colocar os pontos certos nos i’s.

“Muitos já me disseram que era ‘Félis’ mas eu continuo com a minha ideia e como os meus pais me ensinaram, que era João Félix”, sustenta o jogador de 19 anos, e cuja progenitora é professora, reafirmando que “é João Félix que tem de ser”.

O site Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, criado pelo ISCTE, sustenta que “a sílaba final [de Félix] pronuncia-se como a sílaba final da palavra lápis”, uma vez que entrou “muito cedo, ainda na fase da formação da língua”.

António Bagão Félix obedece à regra do Ciberdúvidas e não aceita que atropelem a pronuncia do seu apelido. O antigo ministro das Finanças faz questão de corrigir quando pronunciam mal o seu nome, relembrando que é Bagão [Félis].

O economista insiste em corrigir quem pensa que a terminação do seu apelido se lê como o jogador do Atlético de Madrid e jogador da seleção das quinas.

Recomendadas

FC Porto recorre do castigo de um jogo à porta fechada

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol aplicou um jogo à porta fechada devido a ofensa a um agente desportivo.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.

5,5 milhões de euros: Gestifute e agente de Bruno Fernandes dividem comissão da venda para o Manchester United

Verba de 5,5 milhões de euros referente à venda de Bruno Fernandes do Sporting CP para o Manchester United vai ser repartida pelas duas entidades, informou o Sporting.
Comentários