Fenprof diz que resultado eleitoral é derrota das “políticas antilaborais e antissociais” do PSD e CDS

A federação sindical docente considera que há uma correlação de forças políticas que vai continuar a alimentar as “justas expetativas” dos professores e a assumir compromissos favoráveis à Escola Pública.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) considera que os resultados das eleições europeias revelam uma derrota as “políticas antilaborais e antissociais” defendidas pela direita. A federação sindical docente considera que há uma correlação de forças políticas que vão continuar a alimentar as “justas expetativas” dos professores e a assumir compromissos favoráveis à Escola Pública.

Em comunicado, a Fenprof reagiu aos resultados eleitorais, que levaram o PSD e CDS a assumir que não tinham atingido os objetivos esperados, dizendo que estes representam “a pesada derrota dos partidos que governaram até 2015 [PSD e CDS em coligação], impondo políticas antilaborais e antissociais e tentando criar condições para o desenvolvimento de um projeto de privatização das funções sociais do Estado, onde se incluía a Educação”.

Os dados oficiais revelados pelo Ministério da Administração Interna revelam que o PSD foi a segunda força mais votada, com 21,94% dos votos (727.210 votos), o que lhe permite eleger seis deputados. Já o CDS foi o quinto partido mais votado, com 6,19% (205.101 votos) e a eleição de apenas um deputado para o Parlamento Europeu. Em 2014, os dois partidos tinham concorrido em coligação e conquistado 27,71% (909.904 votos) e eleito sete eurodeputados.

O sindicato diz ainda que a vitória do PS nestas eleições ficou “muito longe da maioria absoluta” e que tal ganha “maior destaque” depois de o primeiro-ministro ter vindo considerar estas eleições como “uma espécie de ‘referendo’ ou ‘sondagem’ sobre a ação do Governo”. O PS conseguiu 33,38% (1.106.300 votos) e elegeu nove eurodeputados, mais um do que em 2014.

“A Fenprof destaca ainda a confirmação de uma correlação de forças políticas que é favorável à Escola Pública e continuará a alimentar justas expetativas dos professores em relação à resolução dos seus problemas e dos que, de uma forma geral, afetam a organização e o funcionamento das escolas”, lê-se no comunicado, notando que agora vai procurar conhecer as posições dos partidos políticos para a próxima legislatuira, levando-os “a assumir compromissos concretos”.

A Frenprof saúda todos os professores que exerceram o seu direito de voto no passado dia 26 de maio e, “de forma particular, os que decidiram levar, de forma explícita, a luta até ao voto, designadamente usando o crachá 9A 4M 2D ou envergando t-shirt com essa e ou outra inscrição de índole reivindicativa”, referente à reivindicada recuperação integral dos 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço dos professores, que foi congelado na altura da troika.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo promulga diploma sobre acesso às praias mas alerta para novo regime sancionatório

O Presidente da República promulgou esta sexta-feira o diploma que regula o acesso e a ocupação das praias durante a época balnear deste ano, no contexto da pandemia da Covid-19, alertando para a aplicação prática do novo regime sancionatório.

Covid-19: PSD pede esclarecimentos ao Governo sobre voos entre Reino Unido e Portugal

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, o deputado do PSD Cristóvão Norte lembrou que “a 7 de maio, o Reino Unido levantou as restrições a viagens não essenciais para Portugal”, colocando o país, “por razões epidemiológicas, na lista verde e, desse modo, “permitindo a retoma da atividade turística”.

Covid-19: Viagens não essenciais para o Reino Unido permitidas a partir de segunda-feira

A decisão governamental será tomada hoje, disse à Lusa fonte do gabinete do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.
Comentários