Fenprof diz que resultado eleitoral é derrota das “políticas antilaborais e antissociais” do PSD e CDS

A federação sindical docente considera que há uma correlação de forças políticas que vai continuar a alimentar as “justas expetativas” dos professores e a assumir compromissos favoráveis à Escola Pública.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) considera que os resultados das eleições europeias revelam uma derrota as “políticas antilaborais e antissociais” defendidas pela direita. A federação sindical docente considera que há uma correlação de forças políticas que vão continuar a alimentar as “justas expetativas” dos professores e a assumir compromissos favoráveis à Escola Pública.

Em comunicado, a Fenprof reagiu aos resultados eleitorais, que levaram o PSD e CDS a assumir que não tinham atingido os objetivos esperados, dizendo que estes representam “a pesada derrota dos partidos que governaram até 2015 [PSD e CDS em coligação], impondo políticas antilaborais e antissociais e tentando criar condições para o desenvolvimento de um projeto de privatização das funções sociais do Estado, onde se incluía a Educação”.

Os dados oficiais revelados pelo Ministério da Administração Interna revelam que o PSD foi a segunda força mais votada, com 21,94% dos votos (727.210 votos), o que lhe permite eleger seis deputados. Já o CDS foi o quinto partido mais votado, com 6,19% (205.101 votos) e a eleição de apenas um deputado para o Parlamento Europeu. Em 2014, os dois partidos tinham concorrido em coligação e conquistado 27,71% (909.904 votos) e eleito sete eurodeputados.

O sindicato diz ainda que a vitória do PS nestas eleições ficou “muito longe da maioria absoluta” e que tal ganha “maior destaque” depois de o primeiro-ministro ter vindo considerar estas eleições como “uma espécie de ‘referendo’ ou ‘sondagem’ sobre a ação do Governo”. O PS conseguiu 33,38% (1.106.300 votos) e elegeu nove eurodeputados, mais um do que em 2014.

“A Fenprof destaca ainda a confirmação de uma correlação de forças políticas que é favorável à Escola Pública e continuará a alimentar justas expetativas dos professores em relação à resolução dos seus problemas e dos que, de uma forma geral, afetam a organização e o funcionamento das escolas”, lê-se no comunicado, notando que agora vai procurar conhecer as posições dos partidos políticos para a próxima legislatuira, levando-os “a assumir compromissos concretos”.

A Frenprof saúda todos os professores que exerceram o seu direito de voto no passado dia 26 de maio e, “de forma particular, os que decidiram levar, de forma explícita, a luta até ao voto, designadamente usando o crachá 9A 4M 2D ou envergando t-shirt com essa e ou outra inscrição de índole reivindicativa”, referente à reivindicada recuperação integral dos 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço dos professores, que foi congelado na altura da troika.

Ler mais
Recomendadas

Tem uma PME? Saiba como continuar a trabalhar com o Brexit

O Acordo de Saída prevê um período transitório, até 31 de dezembro de 2020, durante o qual prevalecerão as atuais regras do Mercado Único Europeu e da União Aduaneira.

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.

“Acordo do Reino Unido com a UE em 11 meses é pouco provável”

Após a saída do Reino Unido da UE no passado 31 de janeiro, Ricardo Evangelista, analista da ActivTrades em Londres, encarou com pessimismo a possibilidade de um acordo em 11 meses entre britânicos e instituições europeias.
Comentários