Fenprof exige a Marcelo que tenha “respeito pelos professores e sua luta”

A Federação Nacional dos Professores refere que as palavras do Presidente foram proferidas em “tom jocoso”, o que “desrespeitou e desvalorizou” a luta dos docentes.

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) exige que o Presidente da República tenha “respeito pelos professores, os seus direitos e a sua luta”. Numa nota enviada à comunicação social, a entidade sublinha que “não quer alimentar polémica acerca das palavras de Marcelo Rebelo de Sousa, em Portalegre, por altura das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Contudo, a Fenprof saliente que “a questão é que essas palavras vêm na sequência de afirmações em que, declaradamente, Marcelo Rebelo de Sousa tomou partido pela posição do Governo (de apagar tempo de serviço), quando deveria manter-se imparcial. E fê-lo num momento particularmente importante para o desfecho do debate na Assembleia da República;

A Fenprof recorda uma entrevista de 23 de abril, à “RTP”, na qual Marcelo Rebelo de Sousa “apoiou a posição do Governo, de apenas recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias, e fê-lo em pleno debate parlamentar sobre a matéria; esse apoio surgiu poucos dias depois de todos os grupos parlamentares, com exceção do PS, terem apresentado e debatido diversas apreciações parlamentares destinadas a alterar o decreto-lei do governo, que impedia a recuperação integral, e poucos dias antes de a discussão baixar à comissão parlamentar e subir a sessão plenária para votação final, ou seja, num período em que, do Senhor Presidente da República, se esperava isenção e respeito pelo debate parlamentar em curso, que era importantíssimo para os professores”.

Já sobre as palavras proferidas no passado dia 9 de junho, a Fenprof afirma que estas foram feitas “em tom jocoso e diretamente para a comunicação social presente. As palavras proferidas foram estas e não outras “942, só faltam mais 3 números para um número telefónico; antigamente é que eram 6, agora são 9”, a que acrescentou “podia ser Portugal 9, a Holanda 4 e depois 2 foras de jogo”.

A Fenprof refere que “com estas palavras dirigidas aos jornalistas, a que se seguiu o riso dos que acompanhavam, Marcelo Rebelo de Sousa desrespeitou e desvalorizou a luta dos professores, que, em relação à carreira, tem como símbolo principal o tempo de serviço que cumpriram (9A 4M 2D) e que continua por ser recuperado na totalidade”.

O comunicado da Fenprof surge após as declarações do Presidente da República no domingo, onde advertiu que, “por definição”, não “entra em guerra com nenhuma classe profissional, menos ainda com a dos professores”, porque “é professor”, considerando serem incompreensíveis as críticas da federação dos professores, que o acusou de não ser Presidente de todos os portugueses, alegando que a história contada pelos sindicalistas do 9.4.2 é “mal-amanhada”.

“Transformar isso numa guerra é uma coisa que não tem o mínimo sentido”, salientou o Presidente da República, lembrando ter sido criticado por outras classes profissionais por receber os professores no meio de um processo legislativo, como foi o do tempo de contagem de carreira dos docentes.

Ler mais
Recomendadas

Rui Rio diz que seria cobarde se não indicasse marido de deputada para o Conselho do MP

O líder social-democrata salientou que Rui Silva Leal “tem o perfil adequado” para o cargo para o qual foi indicado e que esta é apenas uma indicação e não uma nomeação, que ainda terá de ser votada pelos deputados na Assembleia da República.

Parlamento Europeu discute novos instrumentos antifraude no comércio eletrónico

As propostas legislativas, apresentadas pela eurodeputada do PSD Lídia Pereira, visam dotar as autoridades fiscais de instrumentos antifraude mais eficazes, através da conservação de registos e reforçando a cooperação entre Estados-Membros da União Europeia (UE).

O que marcou 2019? Vote nas personalidades e acontecimentos do ano

A redação do Jornal Económico analisou e destacou em cinco categorias diferentes, os acontecimentos e os protagonistas mais relevantes do ano 2019. Até ao próximo dia 22 de dezembro, é a sua vez de dar voz à notícia do ano.
Comentários