Feriado arranca a ‘vermelho’ na Bolsa. EDP com perdas tímidas após chumbo da OPA

Em destaque esta quinta-feira está sobretudo o setor energético. Nas restantes praças europeias, olhos postos na banca, depois de o Bankinter e o UBS terem apresentado os resultados do primeiro trimestre de 2019.

É Dia da Liberdade, mas a Bolsa de Lisboa está a negociar. Os investidores mostram-se ligeiramente pessimistas no arranque das negociações deste feriado de 25 de abril. A bolsa portuguesa está a negociar em terreno negativo, com as atenções viradas para a EDP – Energias de Portugal.

O principal índice nacional está agora a desvalorizar 0,18%, para os 5348.26 pontos. A elétrica liderada por António Mexia, que viu a Oferta Pública de Aquisição (OPA) dos chineses da China Three Gorges (CTG) ter sido inviabilizada depois de uma assembleia geral (AG) de acionistas, recua 0,32%, para 3,39 euros.

A AG da energética chumbou ontem à tarde a proposta de alteração dos estatutos da empresa que permitiria acabar com o limite de votos de 25% por acionista, dando assim um golpe fatal à OPA da CTG. O ponto foi chumbado após a proposta ter recebido 56,60% dos votos emitidos contra o fim do limite de votos. Segundo os estatutos da empresa, era necessária uma maioria qualificada de dois terços dos votos emitidos na assembleia para a proposta passar.

A penalizar o PSI-20 estão ainda as ações da Galp Energia (-0,96%, para 14,89 euros), do BCP (-1.13%, para 0,24 euros), da Altri (-0,21%, para 7,12 euros). Os títulos da Sonae e da Pharol também caem (-0,41% e -0,97%, respetivamente). Por outro lado, cotadas como a EDP Renováveis (+0,23%, para 8,72 euros), a Semapa, a Jerónimo Martins e a Nos estão em contraciclo, com ganhos.

O sentimento pessimista é, aliás, comum às principais bolsas europeias. O índice alemão DAX perde 0,11%, o britânico FTSE 100 desce 0,71%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,43%, o holandês AEX cai 0,53%, o italiano FTSE MIB perde 0,05% e o espanhol IBEX 35 recua 0,14%. O Euro Stoxx 50 está a ser marcado por uma desvalorização de 0

Nem o Bankinter consegue negociar no ‘verde’ (desce 0,01%, para 6,99 euros, na Bolsa de Madrid), mesmo depois de o grupo bancário espanhol ter, antes da abertura do mercado, apresentado uma subida de 1,4% nos lucros do primeiro trimestre (para 145 milhões de euros) comparativamente ao mesmo período do ano anterior.

A merecer destaque está ainda o suíço UBS, que superou as expectativas dos analistas ainda que o seu lucro líquido tenha caído 27% nos primeiros meses do ano, em termos homólogos, para 1,1 mil milhões de euros. O banco está a subir 0,75%, para 13,49 euros e ajuda a Bolsa de Zurique a avançar os ligeiross 0,08% 9.663,50 pontos.

Quanto à cotação do barril de Brent, sobe 0,87%, para 75,22 dólares, enquanto a cotação do crude WTI soma também (+0,26%, para 66,06 dólares por barril). No mercado cambial, nota para a depreciação pouco significante de 0,01% do euro face ao dólar (1,1151) e para a desvalorização 0,05% da libra perante a divisa dos Estados Unidos (1,2894).

Notícia atualizada às 8h47

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários