Fernando Medina é apenas um dos 12 membros da vereação a dizer adeus à Câmara de Lisboa

Nenhum dos seis vereadores eleitos em 2017 pelo CDS e pelo PSD integra a vereação que será presidida por Carlos Moedas nos próximos quatro anos. Na oposição de esquerda, João Paulo Saraiva, Paula Marques, Miguel Gaspar, João Ferreira e Ana Jara são os únicos que transitam do anterior executivo.

O resultado das eleições autárquicas ditou uma ‘razia’ ainda maior do que se esperava na Câmara de Lisboa, pois com a anunciada renúncia ao mandato por parte do ex-presidente socialista Fernando Medina subiram para 12 os elementos da anterior vereação que deixam para trás a Praça do Município, transitando apenas o ex-vice-presidente João Paulo Saraiva, Paula Marques e Miguel Gaspar, eleitos pela coligação entre PS e Livre, e os vereadores comunistas João Ferreira e Ana Jara.

Mesmo antes da derrota de Medina já existia a certeza de que sairiam alguns pesos-pesados da maioria de esquerda, como o vereador do Ambiente José Sá Fernandes, antigo candidato independente nas listas do Bloco de Esquerda que foi entretanto nomeado coordenador do grupo de trabalho para a Jornada Mundial da Juventude que decorrerá em Lisboa em 2023. Ou Ricardo Veludo, que substituiu o todo-poderoso Manuel Salgado no pelouro do Urbanismo mas também se viu envolvido numa investigação policial aos terrenos da Feira Popular, bem como Celeste Correia (que tomou o lugar de Carlos Castro, vereador da Proteção Civil, após este se demitir por receber a vacina contra a Covid-19 antes de tempo) e Catarina Vaz Pinto, que terminou um longo ciclo à frente do pelouro da Cultura, iniciado em 2009.

A debandada acabou por se estender a dois rostos novos com que o sucessor de António Costa na Câmara de Lisboa pretendia refrescar o executivo, pois o “Expresso” garantiu que Inês Lobo e Inês Ucha não irão assumir os mandatos para que foram eleitas, ao contrário do fundador do Livre, Rui Tavares, e de três socialistas que estavam no 8.º, 9.º e 10.º da lista: Inês Drummond (ex-assessora de Fernando Medina e presidente da Junta de Freguesia de Benfica), Pedro Anastásio (até agora adjunto de Duarte Cordeiro na Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares) e Cátia Rosas (que era a vogal da Junta de Freguesia dos Olivais com o pelouro do Ambiente).

Já no centro-direita a renovação foi total, com os quatro vereadores centristas que lideraram a oposição à maioria socialista a saírem, tal como os dois eleitos sociais-democratas. A ex-presidente do CDS-PP e segunda candidata mais votada pelos lisboetas em 2017, Assunção Cristas, fez questão de apoiar Carlos Moedas, mas afastou-se das suas listas, tal como Nuno Correia da Silva (que nestas autárquicas protagonizou uma candidatura mal sucedida à Câmara de Viseu) e Nuno da Rocha Correia, constituindo João Gonçalves Pereira um caso particular – o presidente da distrital centrista de Lisboa e ex-deputado foi preterido dos lugares elegíveis da Coligação Novos Tempos por influência da liderança de Francisco Rodrigues dos Santos, de quem é um dos principais críticos.

Quanto a Teresa Leal Coelho, a quem a concelhia lisboeta do PSD retirou a confiança após viabilizar com o seu voto a recondução de Manuel Salgado para a presidência da empresa municipal SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana, à revelia de uma orientação partidária em sentido inverso, a saída estava há muito tempo garantida, sucedendo o mesmo a João Pedro da Costa, segundo e último vereador social-democrata eleito em 2017, na sequência de um resultado desastroso de 11,22%.

Nenhum dos sete eleitos da coligação de centro-direita que agora conquistou a Câmara de Lisboa integrava o executivo municipal no mandato anterior, embora Carlos Moedas possa contar com alguma experiência autárquica dos sociais-democratas Ângelo Pereira, que foi vereador da Cultura na Câmara de Oeiras, e Filipa Roseta, responsável até às legislativas de 2019 pelos pelouros da Gestão Territorial e Ordenamento do Território na Câmara de Cascais, enquanto o centrista Diogo Moura foi o líder do grupo do partido na Assembleia Municipal de Lisboa.

Por último, ao contrário dos comunistas João Ferreira e Ana Para, que voltaram a ser eleitos na lista da CDU à Câmara de Lisboa, o vereador da Educação e dos Direitos Sociais Manuel Grilo, substituto de Ricardo Robles após o cabeça de lista do Bloco de Esquerda ter renunciado ao mandato na sequência de uma notícia do Jornal Económico acerca dos seus negócios, cedeu o lugar à deputada bloquista Beatriz Gomes Dias, que acumulará a Assembleia da República com o mandato de vereadora sem pelouros.

Recomendadas

Rui Rio diz que há “clarificações” mas recusa limpeza nas listas de deputados

Questionado se não teme ouvir, no Conselho Nacional que se seguirá, críticas de saneamento, o presidente do PSD disse esperar que não, pelo menos de um ponto de vista “global” das listas.

Ex-ministra Constança Urbano de Sousa vai abandonar o parlamento

Esta posição consta de uma mensagem que Constança Urbano de Sousa enviou aos deputados do PS do distrito do Porto, círculo pelo qual foi eleita deputada nas eleições legislativas de 2019.

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.
Comentários